segunda-feira, 2 de novembro de 2020

Bill Gates pretende introduzir a energia nuclear no transporte marítimo

Bill Gates, co-fundador da Microsoft, participará num projeto que visa introduzir a energia nuclear no transporte marítimo.

Em particular, a TerraPower, que é presidida por Gates, CORE POWER, Southern Company e Orano USA, criou uma equipe internacional para desenvolver a tecnologia atómica de reator de sal fundido (MSR) nos Estados Unidos.

A equipe enviou seu pedido ao Departamento de Energia dos EUA para participar na tecnologia de redução de risco e comparticipação de custos no Programa de Demonstração de Reator Avançado para construir um protótipo MSR, como conceito para um reator comercial de média escala .


Lenin
Lenin, quebra-gelos nuclear,Photo//Wikipedia


Os navios movidos a energia nuclear


"As implicações do MSR para o transporte e a indústria podem ser transformacionais, à medida que procuramos construir tecnologia adequada à escala e ampla aceitação da energia atómica utilizando combustível líquido, moderna e durável para moldar o futuro de como lidamos com as mudanças climáticas", disse Mikal Bøe, CEO da CORE POWER, com sede em Londres.

 

O MSR pode ser a tecnologia que constitui o início de uma "segunda era atómica", onde as mudanças climáticas são o principal impulsionador de novas soluções de energia, baratas e seguras, de acordo com CORE POWER, que observou que "o MSR tem um aspeto económico potencial que poderá ser maior do que o de petróleo e gás, fornecendo a energia limpa e sustentável de que a indústria precisa para se aprofundar no futuro sem poluir o meio ambiente. "



Nas próximas décadas, cerca de 60.000 navios devem fazer a transição da utilização de combustíveis fósseis para a propulsão com emissões zero. A Organização Marítima Internacional (IMO), órgão das Nações Unidas, determinou com aprovação unânime de 197 países que o transporte marítimo deve reduzir as emissões em 50% do total de 2008, antes de 2050. Isso significa uma redução real de emissões de quase 90%, até 2050.

 

A tecnologia MSR que está sendo desenvolvida pelo consórcio poderá atingir esse objetivo, alimentando a produção de combustíveis verdes sustentáveis ​​para navios menores e fornecendo energia elétrica a bordo para navios grandes, com emissão zero.


Maior quebra-gelo nuclear do mundo inicia testes no Ártico





Sem comentários:

Publicar um comentário