quarta-feira, 14 de outubro de 2020

"Polarstern" regressa a casa com aviso alarmante

O navio de pesquisa alemão “Polarstern” chegou ao seu porto de origem após completar uma notável expedição ao Oceano Ártico.

O navio passou um ano no polo norte, grande parte dele com os motores desligados para que pudesse simplesmente flutuar no gelo marinho, tendo como objetivo estudar o clima do Ártico e as suas mudanças.

E o líder da expedição, Prof Markus Rex, voltou com um aviso. "O gelo marinho está desaparecendo”.


Polarstern
Photo//STEFFEN GRAUPNER/BBC

O navio quebra-gelo, “RV Polarstern”, ficará retido no gelo do Ártico, de propósito


“A região está em risco. Pudemos testemunhar como o gelo desaparece e em áreas onde deveria haver gelo com muitos metros de espessura, e mesmo no Pólo Norte, esse gelo havia desaparecido", disse o cientista do Instituto Alfred Wegener numa entrevista em Bremerhaven na segunda-feira.

O gelo flutuante diminuiu para pouco menos de 3,74 milhões de quilômetros quadrados. A única vez que esse mínimo foi superado na era dos satélites foi em 2012, quando o gelo acumulado foi reduzido para 3,41 milhões de quilômetros quadrados.

O cruzeiro com um custo de € 130 milhões (£ 120 milhões / $ 150 milhões) partiu de Tromsø, na Noruega , a 20 de setembro do ano passado. O projeto foi denominado Observatório Multidisciplinar de Deriva para o Estudo do Clima Ártico (MOSAiC).



 Ao todo, centenas de especialistas e cientistas de 20 países diferentes permaneceram no navio alemão, que deslizou ao longo do gelo após a chamada deriva polar, a corrente oceânica que flui de leste a oeste no oceano Ártico.

A ideia era recriar a viagem histórica do pesquisador polar norueguês Fridtjof Nansen, que realizou a primeira deriva de gelo no Oceano Ártico há mais de 125 anos.

RV” Polarstern” entrou no gelo do lado siberiano da bacia do Ártico com a intenção de flutuar no topo do mundo e sair a leste da Groenlândia.

Os cientistas também estudaram a vida sob o gelo e recolheram amostras de água para analisar o plâncton vegetal e as bactérias. O objetivo é entender melhor o funcionamento do ecossistema em condições extremas.


Maior quebra-gelo nuclear do mundo inicia testes no Ártico


Fonte//BBC



Sem comentários:

Publicar um comentário