segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Fred Olsen Cruise Lines retira o "Black Watch" do serviço


Construído na década de 1970, O "Black Watch" é um dos navios de cruzeiro mais antigos ao serviço e agora enfrenta um futuro incerto. Substituído por um navio mais novo e maior, o antigo “Royal Viking Star" está agora á espera do que poderá ser o seu futuro depois de uma longa carreira.


Black-watch
Photo //Fred Olsen Cruises

Cunard cancela cruzeiros até meio de 2021


Pequena historia do “Black Watch”


Em 1970,  é criada a Royal Viking Line como uma marca de cruzeiros de luxo. A empresa recém-formada encomenda três navios no Estaleiro Wartsila Helsinki. Em 1972, entra em serviço o primeiro navio da Royal Viking Line, o  “Royal Viking Star” com 21.847 toneladas e capacidade para 539 convidados é também o primeiro de uma série de três navios que mais tarde incluíram o “Royal Viking Sky” e o “Royal Viking Sea”.
Em 1981, o “Royal Viking Star2 entra em doca seca na Alemanha Ocidental para ser ampliado. A embarcação é alongada em quase 28 metros, recebendo novas áreas públicas e mais 200 camas adicionais.




Em 1984, a Royal Viking Line é adquirida pela Kloster, mas permanece como uma marca separada até 1988, altura em que, o navio passa a ser administrado diretamente pela Kloster Cruise, sendo a bandeira alterada da Noruega para as Bahamas. Em 1990, o “Royal Viking Star” é transferido para a Norwegian Cruise Line, sendo renomeado de “Westward” e colocado no Caribe. Em 1994º o “Westward” passa a chamar-se “Star Odyssey” e é transferido para a Royal Cruise Line após uma reforma de US $ 30 milhões. Em 1996, a Fred. Olsen Cruise Lines compra o “Star Odyssey” por US $ 55 milhões e batiza-o de “Black Watch.


Royal-Viking-star
Photo//Wikipédia

Quais são os 5 navios de cruzeiro mais caros do mundo?



Em 2005, o navio entrou no estaleiro Blohm + Voss para uma grande reforma, recebendo novos motores e outras modernizações técnicas. 

Após 24 anos de serviço, o” Black Watch” será substituído por um navio maior e mais novo assim que os cruzeiros recomeçarem.




Sem comentários:

Publicar um comentário