domingo, 7 de junho de 2020

81% dos passageiros que testaram positivo em cruzeiro não apresentaram sintomas

O professor Alvin Ing, pioneiro em medicina respiratória e a Universidade Macquarie, recentemente conduziram um estudo sobre o COVID assintomático no navio de cruzeiro MV “Greg Mortimer”, operado pela Aurora Expedition, em que ele estava.
A pesquisa aponta a possibilidade de uma grande percentagem de pessoas positivas para COVID serem assintomáticas sendo a prevalência do vírus subestimada.


Photo//Cruzing Holidays

Canadá proíbe cruzeiros até 31 de outubro


O cruzeiro iniciou-se na Argentina em 15 de março. A doença do COVID 19 foi declarada pandemia global pela OMS dias antes da partida do navio. Foram tomados imensos cuidados no embarque dos passageiros. Foram medidas as temperaturas durante o embarque e nos restantes dias, sendo o navio equipado com várias estações de lavagem de mãos, especialmente nas áreas de refeições.
O navio não teve contato com outras pessoas durante 28 dias, exceto por uma equipe médica que embarcou no navio para testar e avaliar os passageiros, equipados com equipamento de proteção individual completo (EPIs).
Inicialmente, pensava-se que o navio estava livre de COVID, mas logo as pessoas começaram a adoecer. Havia 217 passageiros e tripulantes, dos quais 128 (58%) apresentaram resultado negativo. Apenas 16 dos pacientes positivos apresentaram sintomas como febre.


Foram adotados protocolos de isolamento assim que a presença de um vírus foi detetada no navio e foram tomadas medidas para impedir a propagação. Os passageiros e toda a tripulação foram testados, com e sem sintomas.
Além disso, os primeiros pacientes positivos para COVID foram inicialmente testados como negativos num teste de anticorpos. Eles tornaram-se positivos após o teste com zaragatoa nasal que se seguiu. Essa descoberta pode resultar em questionar a fiabilidade dos testes de anticorpos.
Segundo Alvin Ing, a viagem foi de fato uma oportunidade de estudar o comportamento do vírus e seu impacto em tempo real tendo achado o estudo interessante e assustador. Ele foi assistido por um médico do navio e uma enfermeira passageira.
O navio esteve parado na América do Sul, devido ao bloqueio e á proibição de viagens. Havia já um morto e muitas continuavam doentes. O governo uruguaio e o departamento de saúde foram os que prestaram apoio médico aos tripulantes.


De acordo com o estudo, o isolamento e o bloqueio não são muito eficazes na prevenção da propagação do vírus. Isso pode ajudar a impedir a propagação por aerossolização, mas as hipóteses de propagação por superfícies contaminadas, alimentos, pratos e talheres, neste caso, são muito altas. Portanto, todos num navio devem ser testados ao COVID, independentemente de apresentar ou não algum sintoma. Há uma grande probabilidade de uma pessoa infetada ter um resultado negativo se o teste for realizado no momento errado. Os resultados do estudo também podem ser aplicados para ambientes fechados semelhantes. Isso inclui campos de imigrantes, prisões e lares para idosos.




SeaDream Yacht Club começará a navegar para a Noruega em junho


Fonte//Lighthouse


Sem comentários:

Publicar um comentário