terça-feira, 21 de abril de 2020

Bloqueio na rendição das tripulações cria 'bomba-relógio' no transporte marítimo

Pode haver "acidentes terríveis" no mar se as mudanças da tripulação continuarem  bloqueadas por restrições devido ao coronavírus, disse à CNBC esta semana a Câmara Internacional de Navegação (ICS).
Dos 1,2 milhões de tripulantes embarcados, cerca de 100.000 costumam deixar seus navios todos os meses para cumprir os regulamentos marítimos internacionais que protegem sua saúde, segurança e bem-estar, de acordo com uma declaração conjunta da ICS e da International Air Transport Association.



Porta-contentores
Photo//Piabay///Free-Photos


No entanto, essas mudanças de tripulaçao foram prejudicadas devido à pandemia de coronavírus que matou quase 145.000 pessoas e infetou mais de 2,15 milhões de pessoas em todo o mundo.
"A questão dos marítimos e seu bem-estar é crucial, e se esse problema for prolongado por muito tempo, poderão acontecer problemas de stress e de saúde e, eventualmente, poderá acontecer alguns acidentes terríveis", disse Esben Poulsson, presidente da o ICS.
Devido a restrições impostas pelos governos, não existem voos para os marítimos voltarem para casa ou para portos, enquanto os protocolos de imigração e exames de saúde também estão impedindo as “mudanças de tripulação necessárias”, diz o comunicado.
Ele explicou que alguns funcionários que atravessam fronteiras internacionais para serviço estão sendo afetados por "restrições nacionais projetadas para passageiros e pessoal não essencial" e que "poderiam comprometer desnecessariamente a capacidade das companhias aéreas e das companhias de navegação de manter as cadeias de abastecimentos globais em operação".

Tripulações estão retidas nos navios devido ao bloqueio do COVID-19


As duas associações comerciais estão pedindo aos governos que facilitem as trocas de tripulação de navios, tendo a IATA oferecido a ajuda de companhias aéreas para transportar os trabalhadores marítimos de e para aeroportos designados, para que possam voltar para casa ou substituir outros membros da tripulação.
"Sem querer parecer excessivamente dramático, pensamos que isso é potencialmente um pouco de uma bomba-relógio", disse ele na sexta-feira à CNBC.
"Trabalhamos com a IATA  em várias maneiras de resolver esse problema, mas precisamos que os governos ajam e precisamos que eles ajam agora", acrescentou.
Poulsson disse que o Japão, Hong Kong e Singapura permitiram mudanças de tripulação em "certas circunstâncias".
"Nós apenas precisamos, que outros governos façam o mesmo


Singapura aloja os trabalhadores em navios/acomodação para combater o COVID-19


Fonte//CNBC


Sem comentários:

Publicar um comentário