quarta-feira, 4 de março de 2020

O setor marítimo enfrenta uma nova era do combustível


Sábado foi o último dia em que os operadores de navios podiam transportar óleo combustível pesado nos tanques de motores de navios não equipados com lavadores, sem infringir as regulamentações internacionais.
A regra foi criada para ajudar o setor, a reduzir seu impacto no meio ambiente. No entanto, a mudança não é tão limpa quanto parece. A mudança para o combustível com baixo teor de enxofre deve ser vistas apenas como uma ponte para um transporte marítimo verdadeiramente mais limpo.


Navio-tanque
Photo// Damen Shipyards

Samgung projeta células de combustível a GNL para navios


No início do ano, entraram em vigor regulamentações globais mais rigorosas sobre o conteúdo de enxofre. Um período de transição de integração associado terminou sábado. Os regulamentos da Organização Marítima Internacional significam que não é mais aceitável que os navios continuem queimando óleo combustível pesado que contenha teor de enxofre acima de 0,5% m / m sem tomar medidas para reduzir as emissões resultantes de óxido de enxofre.
Uma dessas medidas é a instalação dos chamados lavadores que extraem os gases de enxofre dos navios que queimam óleo combustível pesado.
Os lavadores custam de cerca de US $ 2 milhões a US $ 11 milhões para comprar e instalar, no entanto, nem todos são iguais. Alguns são sistemas de circuito fechado, que não descarregam no mar, mas armazenam o enxofre extraído para ser removido em instalações em terra.
No entanto, a maioria dos 4.000 navios que se estima utilizem lavadores, possui sistemas de malha aberta, que lançam a água da lavagem para o mar. É quente, ácida e contém substâncias cancerígenas e metais pesados, de acordo com o Conselho Internacional de Transporte Limpo.
Dezenas e dezenas de países não autorizam o uso dos lavadores se estiver usando óleo combustível pesado nos seus portos.


ABB apresenta estação flutuante de abastecimento de combustível limpo


Com a chegada dos novos padrões da IMO, muitos navios passaram do combustível pesado para combustível com baixo teor de enxofre. O combustível com baixo teor de enxofre é mais caro, mas a diferença de preço entre os dois diminuiu, com o combustível com baixo teor de enxofre custando US $ 165 a mais por tonelada na semana passada.
O gás natural liquefeito (GNL) é a melhor opção de combustível para propulsão de navios e centrais geradoras de energia nos próximos 25 a 40 anos.
A Bernhard Schulte Shipmanagement gere 600 navios e 20.000 funcionários, onde se inclui navios-tanque, navios porta-contentores e VLCC, ou navios porta-contentores muito grandes. No ano passado, recebeu a primeira embarcação de abastecimento de combustível a gás, que pode transportar 7.500 metros cúbicos de gás natural liquefeito e entregará cargas a empresas de energia do Báltico e a outros navios que usam GNL para combustível de propulsão.
O GNL não é uma solução perfeita, mas elimina o problema de partículas no ar criadas pela queima de óleo combustível, e emite apenas um quarto de CO2 do que os combustíveis tradicionais de navios, e é um gás de efeito estufa.



O GNL é um combustível de transição, em terra e no mar, para uma economia de hidrogénio e energia renovável.
O hidrogénio é muito caro, e necessita de muita energia para produzir algo que precisa arrefecer a -247 graus Celsius para manter o líquido. Mas se podemos fazer isso com o que é praticamente energia livre, como energia solar e eólica, então essa é a solução.


Ulstein projeta navio a hidrogénio para operações offshore







Sem comentários:

Publicar um comentário