quarta-feira, 25 de março de 2020

GNL, uma maneira de cumprir as metas de emissões da IMO



O metano liquefeito de origem verde, pode ser um combustível viável para os navios, ajudando a indústria a cumprir as metas de redução de emissões de gases de efeito estufa.
O biometano, produzido a partir de biomassa, e o metano sintético produzido com energia renovável podem imitar o gás natural liquefeito como combustível marítimo, de acordo com um estudo 
realizado pela pesquisadora holandesa CE Delft e encomendado pelo grupo SEA-LNG. Os analistas avaliaram o uso dos combustíveis verdes nos anos 2030 e 2050.



navio-gnl
Photo//Porto e Noticias


Os custos de produção de LBM e LSM podem ser comparáveis ​​aos de alguns outros combustíveis de baixo e zero carbono, como hidrogénio e amónia. Se a infraestrutura de abastecimento e os custos dos navios também forem comparáveis, o LSM e o LBM seriam combustíveis candidatos viáveis ​​para um setor de transporte sem carbono pelo menos até 2050, disse o documento.
A crescente frota movida a GNL pode usar LBM e LSM; e eles podem ser transportados, armazenados e abastecidos na infraestrutura existente de GNL ”, afirmou o estudo.
O LBM já está disponível e escalável globalmente, enquanto a disponibilidade do LSM dependerá do aumento da capacidade de eletricidade renovável, que também é vista como um fator essencial para o desenvolvimento de outros combustíveis sintéticos, como hidrogénio verde e amónia.
O fornecimento atual de eletricidade renovável é insuficiente para produzir LSM em quantidade suficiente para abastecer uma parcela significativa da frota marítima global, mostrou o estudo.
A Organização Marítima Internacional visa reduzir as emissões anuais de gases de efeito estufa do transporte marítimo em pelo menos 50% até 2050 comparativamente com 2008.

Fonte//Gcaptain




Sem comentários:

Publicar um comentário