terça-feira, 31 de março de 2020

Wärtsilä assina acordo para implantação de tecnologia inovadora de porta de lemes


A Wärtsilä assinou um contrato com a Kuribayashi Steamship no Japão para implantação de tecnologia inovadora de porta de leme.
O grupo de tecnologia Wärtsilä, com o consentimento de todos os detentores de patentes japoneses, que desenvolvem tecnologia da porta de leme, anunciou a assinatura de um Contrato de Licença e Cooperação com a Kuribayashi Steamship Co para desenvolvimento futuro, vendas e manutenção das portas de leme.



Portas-de-leme
Photo//Wärtsilä

Além da Kuribayashi Steamship Co, os outros detentores de patentes são Kamome Propeller, Instituto Nacional de Tecnologia Marítima, Portuária e de Aviação (NIMPAT, Japão), Yamanaka Shipbuilding e Professor Noriyuki Sasaki. Como detentora de licença e parceira autorizada, a Wärtsilä pretende integrar totalmente estes  lemes nos projetos de produtos de propulsão e focar nos mercados globais fora do Japão. O acordo foi assinado em 28 de fevereiro de 2020.
Ao oferecer as novas portas de leme como parte integrante das ofertas de propulsão da Wärtsilä para novas construções, a conformidade com o Índice de Projeto de Eficiência Energética (EEDI) será ainda mais facilitada.



A tecnologia está disponível para construções novas e embarcações já existentes. Como parte integrante do projeto, ele obterá sinergias em economia de capital e operacional para os armadores, aumentando a eficiência de combustível, melhorando a manobrabilidade e a estabilidade do curso em condições de mar calmo e agitado, além de reduzir o ruído e a vibração.
Essa nova parceria colaborativa acelerará a implantação dos sistemas de leme em todas as classes de embarcações. Ao combinar a experiência em propulsão e integração de máquinas da Wärtsilä com a tecnologia e o know-how dos detentores de patentes do Japão, essa nova tecnologia se tornará acessível em todo o setor marítimo, com benefícios para os armadores dos conceitos de tecnologia.

Fonte//Wartsila



segunda-feira, 30 de março de 2020

O navio hospital "USNN Comfort"

O USNS Comfort (T-AH-20) é o terceiro navio da Marinha dos Estados Unidos com este nome e o segundo navio hospital da classe Mercy a se juntar à frota da Marinha dos EUA.
Tal Como seu navio irmão USNS  Mercy , o Comfort foi construído como um petroleiro de classe de San Clemente em 1976 pela National Steel and Shipbuilding Company , com o nome de SS Rose City sendo lançado de San Diego, Califórnia


USNS-Comfort
Photo MarineTraffic

GNV transforma ferry em hospital flutuante



Em Dezembro de 1987 foi entregue á Marinha dos EUA para ser transformado em navio hospital, disponibilizando serviços médicos e cirúrgicos rápidos, flexíveis e móveis para apoiar as Forças-Tarefas Aéreo / Terrestre do Corpo de Fuzileiros Navais em terra, unidades do Exército e da Força Aérea em terra e forças anfíbias navais.
Secundariamente, disponibiliza também serviços hospitalares cirúrgicos móveis para uso por agências governamentais americanas apropriadas em casos de desastre ou assistência humanitária ou atendimento humanitário limitado a essas missões ou operações militares em tempo de paz.

Carnival disponibiliza os seus navios como hospitais para doentes não-Covid-19


Características


Nome: USNS COMFORT.
Tipo: Navio Hospital.
IMO: 7390478.
Indicativo: NCOM.
MMSI: 368817000.
Bandeira: Estados Unidos da América.
Porto Casa: Norfolk, VA.
Numero Oficial: 575056.
Número de Galhardete: T-AH-20.
Donos: Governo dos Estados Unidos da América- Washington, DC, EUA.
Operadores: Military Sealift Command- Norfolk, VA, EUA.
Classe: American Bureau of Shipping/Mercy.
Ano de Construção: 1976.
Estaleiro: Nassco - National Steel & Shipbuilding Co.- San Diego, CA, EUA- Casco#396.
Comprimento Fora a Fora: 272,50 metros.
Boca Máxima: 32,24 metros.
Calado: 14,96 metros.
Arqueação Bruta: 54,367 toneladas.
Porte Bruto: 45,480 toneladas.
Guarnição: 1,277 (63 civil, 956 funcionários do hospital naval, 258 equipe de apoio naval).
Número de Camas: 1,000.
Potência de Maquina: 18,020 kW (24,500 hp). 1 helice FP.
Velocidade de Serviço: 16,50 nos.
Velocidade Máxima: 17,50 nos.
Potência de Geradores Auxiliares: 1,693 kW.
Nomes Anteriores: Rose City (1976-1986), Comfort (1986-08/1996).

Quatro mortos e dois casos COVID-19 a bordo do navio de cruzeiro MS “Zaandam”



Informaçao//Paulo Peixoto



domingo, 29 de março de 2020

GNV transforma ferry em hospital flutuante

A Grandi Navi Veloci (GNV), do grupo MSC, converteu o ferry “Splendid” num hospital flutuante equipado para atender doentes do Covid-19 em Génova, Itália, assim como aos convalescentes da doença.


Photo//MediTelegraf


Volcan de Tagoro vai ter um gemeo



A GNV começou a trabalhar no projeto de conversão no início de março, colaborando com a sociedade de classificação RINA e o Sistema de Saúde e Proteção Civil da Ligúria. Foi determinado que o “Splendid” poderia aumentar rapidamente a capacidade hospitalar da região da Ligúria e, se necessário, outras zonas da Itália.


O ferry está atracado em Ponte Columbo, no terminal de ferry de Génova, e atualmente dispõe de 25 camas em cabines individuais, embora seja possível que equipar mais cabines para um total de 400 camas. O hospital flutuante também possui um heliporto e áreas dedicadas ao pessoal e às equipas de profissionais de saúde.
O RINA verificou a conformidade do hospital flutuante com as normas vigentes, garantindo a existência das necessidades médicas e de segurança. A sociedade classificadora prestou seus serviços gratuitamente, assim como, vários parceiros que disponibilizaram seus produtos, para equipar o navio com os equipamentos necessários.


Volcan de Tagoro vai ter um gemeo





sábado, 28 de março de 2020

Quatro mortos e dois casos COVID-19 a bordo do navio de cruzeiro MS “Zaandam”

Faleceram quatro passageiros idosos a bordo do navio de cruzeiro MS "Zaandam" por causas não especificadas e dois outros testaram positivo para o COVID-19, confirmou a operadora Holland American.

Zaandam
Photo//Business Insider

Vários navios de cruzeiro com casos de COVID-19



A notícia foi divulgada pela primeira vez pelo Business Insider, que afirmou que um membro da tripulação a bordo do navio de cruzeiro Rotterdam havia passado a informação num memorando a bordo e uma gravação em áudio de um anúncio feito pelo comandante do navio. O MS “Roterdam” encontrou -se com MS “Zaandam”, fora do Panamá, para fornecer alimentos, kits de teste de coronavírus e pessoal médico por transferência de navio para navio.
A Holland American confirmou muitos detalhes da história num comunicado. A operadora disse que seu plano de resposta é transferir grupos de hóspedes saudáveis ​​do MS “Zaandam” para o MS” Roterdam” via transferência navio a navio, usando protocolos desenvolvidos pelo CDC para identificar aqueles que não estão doentes. Será dada prioridade a pessoas com cabines internas e idade superior a 70 anos. Os convidados evacuados para MS “Roterdam” ficarão em quarentena até o desembarque.
Aqueles que são identificados como doentes ou tiveram contato com uma pessoa doente permanecerão a bordo do MS “Zaandam”, juntamente com todos os membros da tripulação.
O destino final para os dois navios ainda não está definido. O objetivo da Holland American é enviar o MS” Zaandam” para Fort Lauderdale, Flórida, através do Canal do Panamá, e disse sexta-feira que continua trabalhando com as autoridades panamenses para aprovação de trânsito no canal. O MS”Roterdam” deverá ir para San Diego para desembarcar passageiros saudáveis, segundo o memorando.

Na tarde de sexta-feira, a Autoridade do Canal do Panamá (ACP) disse que não permitiria a passagem do MS” Zaandam”. " Seguindo o protocolo do Ministério da Saúde do Panamá, se uma embarcação tiver indivíduos com teste positivo para COVID-19 a bordo,  não poderá realizar nenhuma operação portuária ou transitar pelo Canal", escreveu o ACP.
O MS”Zaandam” partiu em 7 de março num itinerário sul-americano. Foi recusada a permissão para desembarcar passageiros em Punta Arenas em 14 de março devido ao encerramento da fronteira recentemente decretado pelo Chile. Nessa altura, não havia casos COVID-19 conhecidos a bordo. A Holland American informou em 22 de março que 42 indivíduos tinham desenvolvido m sintomas semelhantes aos da gripe.


MS Braemar não consegue porto para atracar por ter coronavirus a bordo


Fonte//BusinessInsider.


quinta-feira, 26 de março de 2020

Wärtsilä fornece design para dois novos navios P&O


O grupo de tecnologia Wärtsilä foi selecionado para elaborar o design de dois novos navios, um graneleiro e um porta contentores. Os navios estão em construção no estaleiro Fujian Mawei Shipbuilding na China, para a P&O Maritime Logistics, com sede em Dubai. O contrato com a Wärtsilä foi feito em janeiro de 2020. Há uma opção para um terceiro navio com o mesmo design da Wärtsilä.


Porta-contentores
Pfoto//Wärtsilä 

O design personalizado para fins especiais leva em consideração as condições e limitações operacionais específicas que os navios encontrarão. Construídos para operar ao longo do rio Fly e áreas costeiras perto de Port Moresby, em Papua Nova Guiné, os navios precisarão ser capazes de manobrar em águas estreitas e rasas, ao mesmo tempo em que maximizam a capacidade de carga e o peso morto.
Os navios de 5400 DWT de 90 metros de comprimento terão uma capacidade nominal de 229 TEUs contentores de 20 pés.
A entrega do primeiro navio está programada para terceiro trimestre de 2021.

Movimentação de contentores normalizada na China



Fonte//Wartsila


quarta-feira, 25 de março de 2020

GNL, uma maneira de cumprir as metas de emissões da IMO



O metano liquefeito de origem verde, pode ser um combustível viável para os navios, ajudando a indústria a cumprir as metas de redução de emissões de gases de efeito estufa.
O biometano, produzido a partir de biomassa, e o metano sintético produzido com energia renovável podem imitar o gás natural liquefeito como combustível marítimo, de acordo com um estudo 
realizado pela pesquisadora holandesa CE Delft e encomendado pelo grupo SEA-LNG. Os analistas avaliaram o uso dos combustíveis verdes nos anos 2030 e 2050.



navio-gnl
Photo//Porto e Noticias


Os custos de produção de LBM e LSM podem ser comparáveis ​​aos de alguns outros combustíveis de baixo e zero carbono, como hidrogénio e amónia. Se a infraestrutura de abastecimento e os custos dos navios também forem comparáveis, o LSM e o LBM seriam combustíveis candidatos viáveis ​​para um setor de transporte sem carbono pelo menos até 2050, disse o documento.
A crescente frota movida a GNL pode usar LBM e LSM; e eles podem ser transportados, armazenados e abastecidos na infraestrutura existente de GNL ”, afirmou o estudo.
O LBM já está disponível e escalável globalmente, enquanto a disponibilidade do LSM dependerá do aumento da capacidade de eletricidade renovável, que também é vista como um fator essencial para o desenvolvimento de outros combustíveis sintéticos, como hidrogénio verde e amónia.
O fornecimento atual de eletricidade renovável é insuficiente para produzir LSM em quantidade suficiente para abastecer uma parcela significativa da frota marítima global, mostrou o estudo.
A Organização Marítima Internacional visa reduzir as emissões anuais de gases de efeito estufa do transporte marítimo em pelo menos 50% até 2050 comparativamente com 2008.

Fonte//Gcaptain




terça-feira, 24 de março de 2020

Apesar da queda do preço do petróleo, a opção dos scrubbers continua a ser a melhor

O efeito do vírus COVID-19 na procura mundial de petróleo e gás, juntamente com uma guerra de preços, fez com que os preços do petróleo caíssem para valores sem precedentes.



Montagem-de-um-purificador
Photo//Turkish Maritime

China apreende dois navios devido a violação do IMO 2020


De acordo com uma análise de impacto da Rystad Energy, é provável que as empresas de exploração e produção reduzam os seus projetos em cerca US $ 131 biliões. Uma consequência potencial para os armadores que atendem aos requisitos de limite de enxofre da IMO 2020 e a Clean Shipping Alliance 2020 (CSA2020), é defender a escolha da instalação do lavador em detrimento do uso de óleo combustível com muito baixo teor de enxofre (VLSFO).

Ian Adams, diretor executivo da Clean Shipping Alliance 2020, disse, que dadas as circunstâncias sem precedentes em que o mundo se encontra, não devemos nos debruçar muito sobre a redução nos preços dos combustíveis. Sem dúvida, os preços dos bunkers serão distorcidos devido ao difícil e desafiador mercado pós-coronavírus, agravado pela “guerra” entre a Rússia e a Arábia Saudita.

A redução dos preços dos combustíveis não devem ser um impedimento para a adoção mais ampla de sistemas de limpeza de gases de escape marinhos (EGCS), pois a tecnologia continua sendo o meio ideal e mais eficaz de atender aos requisitos do Anexo VI da MARPOL. O uso do EGCS também evita a incerteza sobre a qualidade e disponibilidade do VLSFO.

Os membros do EGCS investiram na tecnologia, antes de tudo, para reduzir o impacto das emissões de enxofre na saúde humana. Existem membros da Aliança indicando que as suas instalações estão reduzindo as emissões de enxofre para menos de 0,10%, bem abaixo dos 0,50% obrigatórios, considerando-se os seus investimentos não apenas sensatos, mas bem-sucedidos.


Os armadores que apostaram nos depuradores poderão ter «ganhos substanciais»






segunda-feira, 23 de março de 2020

Piratas sequestram sete tripulantes de porta contentores no Gabão


Sete tripulantes foram sequestrados num navio porta-contentores na costa do Gabão, no Golfo da Guiné.

Talia-F
Photo//seafarersjournal.com.


A Dryad Maritime informou que no domingo o MSC “Talia F” tinha sido atacado a aproximadamente 52 milhas náuticas de Port Libreville, resultando no sequestro de sete tripulantes.

O navio de bandeira portuguesa viajava de Lome a Port Libreville quando ocorreu o ataque . O navio tinha uma tripulação composta por 17 cidadãos ucranianos.
A Dryad Maritime observa que o incidente é o primeiro nesta área até agora este ano.


Fonte//Gcaptain






domingo, 22 de março de 2020

Carnival disponibiliza os seus navios como hospitais para doentes não-Covid-19

A Carnival Corporation disponibilizou o uso dos navios de cruzeiro das empresas subsidiarias, Carnival Cruise Line, Holland America Line, Princess Cruises e P&O Cruises Australia, aos governos e autoridades de saúde para funcionarem como hospitais temporários para pacientes não-Covid-19.


Carnival-Dream
Photo//Sweetdeals

Vários navios de cruzeiro com casos de COVID-19



A corporação espera ajudar os governos a aliviar a crescente pressão sobre os serviços de saúde em terra, que está sendo exercida pela propagação contínua do vírus Covid-19 em todo o mundo.
Segundo a Carnival Corporation, seus navios de cruzeiro podem ser rapidamente provisionados para servir como hospitais com até 1.000 quartos, onde os profissionais de saúde podem tratar pacientes que sofrem de condições menos críticas. A rede de internet de alta velocidade dos navios também permitiriam instalar e ligar dispositivos remotos de monitorização de pacientes para fornecer recursos cardíacos, respiratórios, de saturação de oxigénio e de monitorização em vídeo. Os quartos também possuem banheiros, varandas privadas e podem ser isolados, se necessário.



Além disso, os navios poderiam fornecer até sete unidades de terapia intensiva equipadas com monitorização cardíaco central, ventiladores e outros dispositivos médicos importantes em seus centros médicos a bordo.
Os navios “hospital” temporários ficariam atracados num porto próximo à comunidade necessitada, com todas as operações marítimas, alimentos e bebidas e serviços de limpeza fornecidos pelos membros da tripulação. Os serviços médicos seriam prestados pela entidade governamental ou hospital responsável por combater a disseminação do Covid-19 dentro dessa comunidade. Ás partes interessadas só será solicitado cobrir apenas os custos essenciais ás operações do navio enquanto estiverem no porto



MS Braemar não consegue porto para atracar por ter coronavirus a bordo



Fonte//Cruise And Ferry




sábado, 21 de março de 2020

Mega-iate "ARTEFACT" na Madeira

Um dos mais recentes mega-iates, o “ARTEFACT” encontra-se fundeado na costa sul da Madeira. O “ARTEFACT”, é proveniente de Gibraltar, e está a efetuar a viagem inaugural desde o estaleiro alemão Nobiskrug .
Depois de 18 meses em construção, concluiu com sucesso os testes no mar e foi entregue no início deste mês.


Artefact
Photo SergioCruises

Mega iate "YAS" em Lisboa


Características

Nome: ARTEFACT.
Tipo: Iate.
IMO: 9804332.
Indicativo: V7SA5.
MMSI: 538071148.
Bandeira: Ilhas Marshall.
Porto de Registo: Jaluit.
Numero Oficial: 71148.
Dono: Mike Lazaridis- co-fundador da "Research in Motion", conhecido pelos telefones Blackberry.
Operadores: The 6231 Partnership LP- Majuro, Ilhas Marshall.
Classe: Lloyd's Register.
Ano de Construção: 2020.
Estaleiro: Nobiskrug GmbH- Rendsburg, Alemanha- Casco#790.
Comprimento Fora a Fora: 80,00 metros.
Boca: 16,82 metros.
Calado: 4,10 metros.
Arqueação Bruta: 2,999 toneladas.
Porte Bruto: 2,300 toneladas.
Número de Convés: 4. Número de Cabines: 8. Número de Passageiros: 16. Número de Tripulantes: 24.
Potência de Maquinas: 4,050 kW (5,508 hp), 2,100 rpm & 1,600 rpm. 2 hélices Azimutais.
Velocidade de Cruzeiro: 15,00 nos.
Velocidade Máxima: 17,50 nos.

Mega Iate "Paloma" no Funchal


Informação //Paulo Peixoto



Roterdão recebe o“Sleipnir”, maior navio de guindastes semi-submersível do mundo


O maior navio semi-submersível do mundo, “Sleipnir”, da Heerema, chegou hoje, 21 de março,  ao porto de Roterdão. Construído pela Sembcorp Marine, em Singapura, foi entregue em Julho de 2019 e desde então tem feito vários trabalhos por todo o mundo.


Sleipnir
Photo Heerema


“BOKA Vanguard” carrega “Carnival Vista” para reparações



O navio tem 220 metros de comprimento, 102 metros de largura, pode acomodar 400 funcionários e pesa 119.000 toneladas. O navio detém o recorde de elevação em navios guindaste, com a elevação de 15.300 toneladas em setembro de 2019.
A embarcação semi-submersível possui dois guindastes, cada com capacidade para levantar 10.000 toneladas. Essa capacidade o torna adequado para os maiores trabalhos offshore, como a construção de turbinas eólicas no mar, o desmantelamento de plataformas antigas ou a construção das estruturas offshore mais significativas.

O “Sleipnir” chegou após uma bem-sucedida execução do projeto em Trinidad, já tendo trabalhado em águas brasileiras e israelenses. O navio vai agora preparar-se para futuros trabalhos de desativação no Mar do Norte. Ao usar o “Sleipnir”, a Heerema está trabalhando na limpeza de plataformas de perfuração desativadas da maneira mais limpa possível, com o uso de GNL com redução de emissões. A embarcação deve partir no final de março para o primeiro de vários trabalhos.


Maior guindaste flutuante do mundo monta um modulo numa plataforma offshore





sexta-feira, 20 de março de 2020

SunStone Ships lança o “MS“Ocean Victory”


O MS “Ocean Victory”, o terceiro navio da série Infinity da SunStone Ships, foi lançado no estaleiro CMHI em Haimen, China.

MS-Ocean-victory
Photo Ulstein


A Schottel instalará propulsores azimutais no navio de cruzeiro Yangtze



O navio de 104 metros de comprimento pode acomodar até 200 passageiros em 93 suítes. Foram feitas várias mudanças a partir do design do primeiro navio da série, MS “Greg Mortimer”, incluindo a instalação de uma piscina infinita e a substituição das asas da ponte por duas plataformas de observação.
A série Infinity apresenta o design do casco em X´Bow da Ulstein, que reduz o consumo de combustível e proporciona uma viagem mais suave. A Ulstein Design & Solutions está fornecendo o design e equipamento para o projeto.
O “Ocean Victory” foi fretado para viagens à Albatros Travel for Antarctica no inverno e ao American Queen Steamboat para cruzeiros no Alasca no verão





A Schottel instalará propulsores azimutais no navio de cruzeiro Yangtze



Fonte//Cruise And Ferry


quinta-feira, 19 de março de 2020

Movimentação de contentores normalizada na China


A Associação da Indústria de Contentores da China (CCIA) afirmou que a recuperação dos movimentos de contentores na China está progredindo rapidamente.
Num relatório divulgado em 18 de março de 2020, a CCIA disse que, em 10 de março de 2020, os portos, barcaças, ferrovias e transportes multimodal da China retomaram o trabalho, enquanto a capacidade operacional de camiões e instalações de armazenamento é de cerca de 90%.


Porto-de-xangai
Photo//Mar e Marinheiros

A China é agora a maior proprietária de navios porta-contentores



As pesquisas da CCIA mostraram que, mesmo quando os casos do Covid-19 estavam aumentando na China, portos e ferrovias, especialmente aqueles que atendiam a remessas de contentores China-Europa, continuavam em operação, a fim de facilitar o movimento de equipamentos de proteção e artigos médicos. No entanto, as instalações na província de Hubei, o epicentro original da pandemia, levaram mais tempo para retomar o trabalho.
Outras consultorias estimaram que o surto atrasou o embarque de 17 milhões de TEU e US $ 6 biliões em receita aos operadores de linha.

Os porta-contentores que ligam a China á Europa estão agora operando em 90% em relação á época anterior ao Covid-19, e 85% desses navios reiniciaram os serviços.
O vice-presidente executivo da CCIA, Li Muyuan, disse que desde o início de fevereiro a associação acompanha o impacto do vírus na indústria e o progresso da retomada do trabalho dos fabricantes.
Li disse que nas últimas três semanas, tudo exceto em Hubei, o regresso ao trabalho vem ganhando força rapidamente em todo o país. Muitas restrições à retomada do trabalho estão sendo gradualmente suspensas.

No entanto, com o epicentro do Covid-19 mudou-se para a Europa e o subsequente bloqueio do continente e de outros países. A China está impondo obrigações de quarentena aos navios que chegam da Coreia do Sul, Irão, Reino Unido e da União Europeia. Essas medidas aplicam-se a navios que fazem escala nos dois portos de contentores mais movimentados da China, Xangai e Ningbo-Zhoushan.


Marítimos enfrentam desafios sem precedentes devido ao coronavírus





quarta-feira, 18 de março de 2020

A Schottel instalará propulsores azimutais no navio de cruzeiro Yangtze


O fabricante de propulsão Schottel vai instalar seus propulsores azimutais para um navio chinês de cruzeiros fluviais, de propriedade da Changjiang Cruise Overseas Travel e que se destina à operação no rio Yangtze.



Yangtze-cruise-vessel
Photo Scothell

MS Braemar não consegue porto para atracar por ter coronavirus a bordo



O navio será alimentado por motores elétricos que acionam três unidades de hélices duplas, com uma potência de 1.000 quilowatts cada. Terá 150 metros de comprimento, acomodará 600 passageiros e atingirá a velocidade de 14 nós.
Ao compartilhar a força entre duas hélices do mesmo diâmetro girando na mesma direção, as hélices duplas da Schottel reduzem o risco de cavitação e aumentam a folga da ponta. Isso leva a níveis mais baixos de ruído e vibração, além de reduzir o consumo de combustível em comparação com os sistemas de hélice única.
A nova embarcação deverá entrar em operação em setembro de 2021.

Celestyal Cruises interrompe cruzeiros devido ao COVID-19


Fonte//Cruise and ferry


terça-feira, 17 de março de 2020

Vários navios de cruzeiro com casos de COVID-19

Embora a indústria de cruzeiros tenha cancelado ou adiado os cruzeiros devido ao risco de coronavírus, muitos navios de cruzeiro ainda estão em a funcionar e em cruzeiros. Há três navios com casos conhecidos de coronavírus a bordo, aumentando os incidentes anteriores a bordo do “Diamond Princess” e do “Grand Princess”.
Além dos casos conhecidos de coronavírus a bordo do MS “Braemar” da Fred Olsen Cruises, atualmente em viagem para um porto de refúgio em Cuba, dois navios da Silversea Cruises foram colocados em quarentena na América Latina.


Silver-Explorer
Photo SilverSea

Celestyal Cruises interrompe cruzeiros devido ao COVID-19


A decisão do Chile de fechar suas fronteiras na segunda-feira teve um efeito imediato para o navio de cruzeiro da Holland America  MS “Zaandam”, que não tem casos suspeitos ou conhecidos a bordo. "Apesar de prevermos desembarcar hoje os passageiros do MS “ Zaandam” em Punta Arenas, no Chile, não fomos autorizados pelas autoridades locais. Portanto, o navio partiu do porto hoje à noite e agora está a caminho de San Antonio, no Chile, para um abastecimento de combustível e outras provisões ", afirmou a Holland America em comunicado. " A Holland America Line está em negociações com vários países e embaixadas para conseguir desembarcar os passageiros ".


A bordo do MS “Golden Princess”, três passageiros foram colocados em quarentena com sintomas respiratórios; um indivíduo foi testado com resultado negativo para o vírus. Não há casos conhecidos a bordo, e o MS “Golden Princess” navega para a a Austrália
O MS “Norwegian Jewel” não escalou o Taiti e fiji por não ter conseguido autorização para entrar e está ancorado em Suva. "Estamos trabalhando ativamente para encontrar um porto alternativo e estamos nos comunicando regularmente, pois temos mais informações", disse a operadora NCL em comunicado. A embarcação não tem casos conhecidos ou suspeitos a bordo.



Costa-luminosa
Photo CruzeirosTravel

MS Braemar não consegue porto para atracar por ter coronavirus a bordo


Atualmente, o MS “Costa Luminosa” está a caminho de Marselha após uma viagem transatlântica do Caribe, e os passageiros receiam haver casos positivos a bordo. Três passageiros da viagem atual foram desembarcados e, deram resultados positivos para a doença.
Em 29 de fevereiro, um passageiro doMS “Costa Luminosa” foi evacuado para as Ilhas Caymão após desenvolver sintomas de um derrame. Mais tarde, ele testou positivo para COVID-19 e no sábado morreu, segundo o Miami Herald.
A 8 de março, mais dois passageiros desembarcaram em Porto Rico e também testaram positivo para o COVID-19. O navio foi recusado a entrar em Antígua e seguiu para seu próximo porto de escala, as Ilhas Canárias, uma viagem de uma semana através do Atlântico. Na chegada, ela desembarcou mais três passageiros doentes (o resultado do teste não foi divulgado).
O MS “Costa Luminosa” agora segue para Marselha, onde deve chegar quinta-feira. Os passageiros não italianos devem desembarcar, de acordo com uma carta fornecida aos passageiros e compartilhada nas redes sociais. Informações dadas pelos passageiros atualmente a bordo do navio indicam que foram implementadas medidas de quarentena


Fonte//MaritimeExecutive



segunda-feira, 16 de março de 2020

A China é agora a maior proprietária de navios porta-contentores


O presidente da Associação Alemã de Armadores (VDR), Alfred Hartmann, afirmou que a China ultrapassou a Alemanha como o maior país proprietário de navios porta-contentores.
 
COSCO-Sagitarius
Photo COSCO

Marítimos enfrentam desafios sem precedentes devido ao coronavírus


As empresas chinesas listadas como proprietários de navios com capacidade para 3,63 milhões de TEU combinados, em comparação com 2,81 milhões de TEU atribuídos a proprietários alemães.
A operadora estatal chinesa COSCO Shipping Lines, que também possui uma participação majoritária na Orient Overseas Container Line (OOCL), vem expandindo sua frota construindo mega navios de contentores em estaleiros parceiros, incluindo cinco navios de 23.000TEU encomendados pela OOCL.

Outra razão para o domínio chinês é que, embora os alemães fossem os principais fornecedores de tonelagem para os operadores de navios de contentores, a crise financeira global e a consequente redução de remessas europeias, deram oportunidades aos investidores chineses, e as empresas financiadoras como o ICBC Financial Leasing, o Minsheng Financial Leasing e o Bank of Communications Financial Leasing, entre outros, são subsidiários de bancos e construtores de navios chineses, disponibilizando fundos para construções nova ou a compra e leasing de embarcações.
 Em maio de 2019, a Maersk encomendou cinco navios de 2.500TEU do estaleiro Jiangnan, através de um contrato de arrendamento com o ICBC Financial Leasing.

O CEO da VDR, Ralf Nagel, afirmou em comunicado à imprensa que, para manter a competitividade dos proprietários alemães, as autoridades devem manter os benefícios fiscais existentes para os proprietários alemães.


Greve total no Porto de Lisboa de 9 a 30 de Março


Fonte//Container News


domingo, 15 de março de 2020

MS Braemar não consegue porto para atracar por ter coronavirus a bordo


O MS “Braemar” da Fred Olsen Cruise Lines.com 682 passageiros e 381 tripulantes, e com, pelo menos, cinco casos confirmados de coronavírus a bordo está desesperadamente procurando um lugar para atracar depois de ter sido recusada a entrada em vários portos do Caribe.
As autoridades britânicas fazem um intenso esforço diplomático para encontrar um país disposto a receber o MS “Braemar”.


Photo CNN

Celestyal Cruises interrompe cruzeiros devido ao COVID-19


Vinte passageiros e outros 20 membros da tripulação, incluindo um médico, estão isolados após exibir sintomas do tipo gripe.
O MS “Braemar” está ancorado a cerca de 40 quilômetros da costa, nas Bahamas, aguardando autorização do governo local para ser abastecido de alimentos, combustível e medicamentos. Alem disso irão embarcar e dois médicos e duas enfermeiras que estão se preparando para ajudar a equipe médica a bordo.
O navio, chegou às Bahamas no sábado. As autoridades impediram-no de atracar, mas recebeu permissão para ancorar no sudoeste de Freeport.
"Nenhum outro porto do Caribe estava disposto a aceitar o navio por causa das sensibilidades locais em relação ao coronavírus COVID-19", informou a empresa em comunicado.


Fontes do governo britânico estão a tentar encontrar um porto adequado para o MS “Braemar” sendo Cuba a opção mais provável. Um plano para permitir que o navio voltasse ao Reino Unido foi posto de parte por motivos práticos, devido à distância envolvida e à saúde dos passageiros.
Uma porta-voz de Fred Olsen disse à CNN que todas as opções para onde ir estavam sendo consideradas, incluindo o regresso ao ponto de partida em Southampton, no Reino Unido.
Os passageiros do MS “Braemar” são predominantemente britânicos, mas também incluem cidadãos canadenses, australianos, belgas, colombianos, irlandeses, italianos, japoneses, holandeses, neozelandeses, noruegueses e suecos.



Celestyal Cruises interrompe cruzeiros devido ao COVID-19


Fonte//CNN



Celestyal Cruises interrompe cruzeiros devido ao COVID-19

Durante o surto de COVID-19, a empresa de cruzeiros sediada em Atenas, Celestyal Cruises, informou que cancelará suas operações de cruzeiro até 1º de maio de 2020 para evitar a propagação da doença.



Celestyal-cruises
Photo//Neo Turismo

Operadores de cruzeiros cancelam operações



De fato, essa decisão veio após as restrições do governo grego e o aumento da quantidade de cancelamentos de cruzeiros.
A empresa suspende as travessias entre 14 de março e 30 de abril de 2020 e planeia recomeçar as operaçoes a partir de 1º de maio de 2020, dependendo da situação.
Todos os setores e todos os indivíduos devem estar envolvidos na luta contra a COVID-19 e a Celestyal Cruises, seguindo estas recomendações e as de profissionais e reguladores de saúde de todo o mundo e agindo de acordo para reduzir o risco de quarentena ou detenções médicas para os hóspedes e equipe técnica.
A Viking também informou que suspende as suas operações de cruzeiros fluviais e oceânicos até maio, como uma medida contra a ameaça COVID-19, enquanto a Princess Cruises emitiu um comunicado informando que estão interrompendo as operações por dois meses.


Governo da Madeira proíbe atracação de cruzeiros



Fonte//Safety4sea



sábado, 14 de março de 2020

O navio Lobo Marinho, apenas vai transportar para Porto Santo residentes na ilha


O Governo da Madeira deliberou que o ferry "Lobo Marinho", que assegura as ligações marítimas entre o Porto Santo e a Madeira, apenas vai transportar para o Porto Santo residentes na ilha, por forma a salvaguardar o perigo de contágio de Covid-19.


ferry-lobo-marinho
Photo//Elvio Leao


Os pequenos e elegantes "carreireiros"



"Não podemos correr riscos no Porto Santo", declarou o presidente do Governo regional da Madeira, Miguel Albuquerque.

Assim o acesso ao Porto Santo fica limitado a residentes e a situações em que seja imprescindível alguém visitar à ilha.
O Governo Regional, já havia deliberado que os cruzeiros e iates também não podem atracar nos portos e marinas do arquipélago, razão pela qual o navio de cruzeiro “Hamburg” que tinha uma escala programada para o próximo dia 18, não irá atracar no porto da Ilha Dourada.



A operação ferry entre Madeira e Porto Santo.


sexta-feira, 13 de março de 2020

Operadores de cruzeiros cancelam operações

A Royal Caribbean Cruises e a  Ltd Norwegian Cruise Line Holdings Ltd suspenderam todos os seus cruzeiros nos Estados Unidos, a primeira nos próximos 30 dias, e a segunda até 11 de abril.
Também a Costa Cruzeiros, subsidiária da Carnival Corp na Itália, tem os cruzeiros suspensos até 3 de abril.


Anthem-of-the-seas
Photo Royal Caribbean


Governo da Madeira proíbe atracação de cruzeiros



A Princess Cruises, outra subsidiária da Carnival, suspendeu suas viagens por dois meses.
E de recordar que os da Princess Cruises “Diamond Princess” e “Grand Princess” foram colocados em quarentena depois que se tornarem focos de infeções do coronavírus.

A Disney Cruise Line da Disney e a Viking Line da Finlândia também interromperam temporariamente as operações.
Os cancelamentos de cruzeiros devido ao coronavírus, está a aumentando rapidamente, sendo de prever que dentro de poucos dias, praticamente toda a frota mundial de cruzeiros estará completamente inativa.

Navios de cruzeiro recebidos com protestos devido ao coronavirus





quinta-feira, 12 de março de 2020

Governo da Madeira proíbe atracação de cruzeiros

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, anunciou, nesta quinta-feira de manhã, novas medidas de contingência devido ao novo coronavírus (Covid-19). 
Entre elas está a proibição da atracação de navios de cruzeiro nos portos da região, assim como a entrada de iates nas marinas do arquipélago.



Porto-do-Funchal
Photo João Conceiçao

Navios de cruzeiro recebidos com protestos devido ao coronavirus


Com esta proibição, serão cerca de 50 mil,os turistas que não irão desembarcar até ao fim de Março, numa medida de contingência que visa  apoiar cidadãos e empresas face à pandemia.
O abastecimento de bens, sobretudo alimentares, está assegurado pelos navios porta contentores que semanalmente ligam a região ao continente.



AIDAnova fez (turnaround) inesperado na Madeira


quarta-feira, 11 de março de 2020

Encontrado submarino “USS Stickleback” perdido há 62 anos

A equipa "Lost 52 Project" descobriu o “USS Stickleback” (SS 415), um submarino perdido há 62 anos a 3300 metros de profundidade.
O submarino da Segunda Guerra Mundial foi enviado para Guam em março de 1945 e começou sua primeira patrulha de guerra em 6 de agosto, quando partiu para o Mar do Japão. Chegou na semana seguinte e começou sua patrulha. Durante esse período, foram lançadas as bombas atómicas sobre Hiroshima e Nagasaki, e acreditava-se que a guerra terminaria em breve.

O “USS Stickleback” só estava na área de patrulha há dois dias quando a ordem de cessar-fogo foi aprovada. Ele permaneceu na área e, em 21 de agosto, avistou duas jangadas de bambu contendo 19 sobreviventes de um cargueiro. Estiveram a bordo durante 18 horas, onde receberam comida, água, tratamento médico e foram deixados nas jangadas a uma curta distância de uma das ilhas japonesas.
O “USS Stickleback” voltou a Guam em 9 de setembro de 1945. Partiu para os EUA no dia seguinte. Ela chegou a São Francisco e participou do desfile da Terceira Frota em 28 de setembro. Após um pequeno cruzeiro para as Ilhas Havaianas,  foi desativado e colocada em reserva em 26 de junho de 1946.
Voltou ao ativo em 6 de setembro de 1951 e serviu em San Diego, Califórnia, como navio de treino. Foi novamente desativado em 14 de novembro de 1952 e convertida num submarino do tipo Guppy IIA. A 26 de junho de 1953, o “USS Stickleback” juntou-se ao Submarine Squadron 7 em Pearl Harbor, onde apoiou as forças das Nações Unidas na Coreia de fevereiro a julho de 1954, voltando depois a Pearl Harbor. De 1954 a 1957, conduziu operações de recolha de informações na União Soviética.
Em 28 de maio de 1958, o “USS Stickleback” participava num exercício de guerra anti-submarino com a escolta do destroyer “USS Silverstein” (DE 534) e um draga minas na área havaiana.





No curso desses exercícios, o submarino havia acabado de lanças um torpedo simulado no “USS Silverstein” e estava a uma profundidade segura quando ficou sem  energia e descendo descontrolado a cerca de 240 metros. Foi adicionado um lastro de flutuação de emergência e ele subiu rapidamente emergindo aproximadamente 180 metros à frente do destroyer. Foi dado o alarme de colisão, e “USS Silverstein” deu á ré toda a força, mas não conseguiu evitar uma colisão. O resultado foi um rombo no submarino e perda do mesmo.
A tripulação do “USS Stickleback” foi retirada pelo draga minas e foram feitos esforços combinados por vários navios para salvar o submarino. Os navios de resgate prendiam cabos ao submarino, mas todos os compartimentos inundaram, e o “USS Sticklebac” afundou a 3.300 metros de profundidade.

O “USS Stickleback” é o terceiro submarino a ser descoberto, dos quatro da Marinha dos EUA perdidos desde o final da Segunda Guerra Mundial. o  “USS Cochino” (SS 345), o “USS Thresher”  (SSN 593) e o “USS Scorpion” (SSN 589) também foram perdidos durante a Guerra Fria.

HSC “Atlantic Express” sofre acidente no porto de Colónia


Fonte//MaritimeExecutive