sábado, 1 de fevereiro de 2020

A propulsão eólica deverá aumentar na década que agora começa


Com uma crescente mudança para soluções ecológicas no caminho para a descarbonização, a japonesa ClassNK anunciou que está se juntando à International Windship Association (IWSA), e que está trabalhando para promover o vento como uma opção viável de propulsão para navios.
Nos últimos anos, a ClassNK identificou e apoiou o desenvolvimento de tecnologias de propulsão eólica como uma importante contribuição com uma serie de soluções para um setor de transporte marítimo mais ecológico.


Wind-solutions
Imagem safety4sea.

"Viking Energy" será o primeiro navio do mundo movido a amónia


Em setembro do ano passado, a sociedade de classificação lançou " Diretrizes para sistemas de propulsão assistida pelo vento para navios " para minimizar os riscos potenciais dessas instalações na estrutura do casco, na tripulação e no ambiente circundante.
Além disso, desenvolveu notações de classe para navios cujo equipamento foi projetado e instalado de acordo com as diretrizes.
A participação na IWSA está alinhada com um aumento de interesse nas soluções de uso do vento e de propulsão primária no Japão e no setor em todo o mundo, explicou a ClassNK.


A IWSA é uma organização sem fins lucrativos que, nos últimos cinco anos, vem reunindo projetos de propulsão eólica, companhias de navegação, estaleiros e organizações de pesquisa para ajudar a desenvolver ainda mais essas tecnologias, além de promover o vento como uma fonte de energia credível, viável e cada vez mais opção de propulsão econômica para embarcações comerciais.
2020, será um ano crítico para o desenvolvimento da propulsão eólica à medida que entramos na década das reduções de emissões de GEE.
Um relatório encomendado pela UE em 2017 previu até 10.000 instalações de propulsão eólica na próxima década.


A Amónia pode vir a ser o combustível marítimo alternativo


Fonte//Safety4sea.


Sem comentários:

Publicar um comentário