sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

A Amónia pode vir a ser o combustível marítimo alternativo

Na 72.ª reunião do Comité de Proteção Ambiental Marinha (MEPC), foi adotado um esboço da estratégia inicial para reduzir as emissões de gases de efeito estufa para os navios da IMO.
A IMO estabeleceu uma visão para se concentrar continuamente na redução de emissões de gases de efeito estufa no transporte internacional e eliminar as emissões de gases de efeito estufa o mais rápido possível neste século, e para atingir essas metas foram determinadas as seguintes formas.

 
Navio-propulsionado-a-amonia
Photo c-job.

Samgung projeta células de combustível a GNL para navios




 1) Reduzir os níveis de carbono dos navios através da implementação de outras fases do índice de projeto de eficiência energética (EEDI) para novos navios

2) Reduzir as emissões de CO2, no transporte internacional, em pelo menos 40% até 2030, prosseguindo esforços para 70% até 2050.

3) Reduzir as emissões de GEE do transporte internacional o mais rápido possível e reduzir o total anual de emissões de GEE em pelo menos 50% até 2050.

Prevê-se que alcançar o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa será difícil ao usar combustíveis fósseis e que as mudanças no combustível dos navios serão inevitáveis ​​a longo prazo, sendo necessário para isso uma estratégia inicial onde se incluem: “Desenvolvimento e busca de reservas de combustíveis livres de carbono ou fósseis.” Os biocombustíveis, hidrogénio, metanol e amónia são mencionados como combustíveis alternativos, especialmente amónia, que possuem características de armazenamento relativamente superiores às do hidrogénio e são considerados neutros em carbono, sendo este o combustível com maior probabilidade de ser utilizado devido à sua baixa dificuldade técnica.



ABB apresenta estação flutuante de abastecimento de combustível limpo



Fonte//krs


Sem comentários:

Publicar um comentário