segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

IMO 2020, a grande mudança dos transportes marítimos

Entrarão em vigor no início do próximo ano, regras mais rígidas sobre as emissões de enxofre dos navios, sendo esta a maior mudança para as indústrias de petróleo e dos transportes marítimos das últimas décadas.



NT Nike em manobras no Porto Santo




A partir de janeiro de 2020, a Organização Marítima Internacional (IMO) proibirá os navios de usar combustíveis que tenham um teor de enxofre acima de 0,5%, (agora é de 3,5%). Esta proibição tem como objetivo reduzir a poluição atmosférica, contribuindo assim para a redução do aquecimento global e consequentes alterações climáticas.
Apenas os navios equipados com dispositivos de limpeza dos gases, conhecidos como lavadores, poderão continuar a usar o atual combustível com teor de enxofre de 3.5%, podendo os armadores também optar por outros combustíveis mais limpos, como o gás natural liquefeito (GNL), hidrogénio e o diesel marítimo,
O não cumprimento das imposições resultará em multas e em alguns casos a detenção das embarcações e, noutras situações, dependendo de cada país, pena de prisão, o que pode dificultar a conseguir requisitos indispensáveis, como os seguros.
Não será a IMO a fazer a fiscalização, mas sim as autoridades dos países e dos portos.


O novo combustível com 0.5% de enxofre, estará disponível?

As principais empresas petrolíferas, anunciaram que estão produzindo o combustível exigido, e os principais portos de abastecimento de combustível, como Singapura, Fujairah, e Roterdão, possuem já reservas significativas. Resta ver o que se passará nos portos de menores dimensões.
Ainda não se sabe qual o impacto dos combustíveis com muito baixo teor de enxofre, de 0,5%, nos motores dos navios, visto ainda não ter sido completamente testado, apesar de terem sido emitidas orientações para evitar a mistura de diferentes lotes de combustível, esta é uma questão que preocupa os armadores, especialmente depois do acontecido em 2018, quando houve uma grande contaminação de combustíveis nos bunkers.


Esquema de funcionamento dos lavadores de escape
Imagem Marineinsight

Os purificadores são a melhor opção para as restrições da IMO


Existe também a possibilidade de usar os lavadores, mas ainda existem dúvidas sobre se as autoridades portuárias podem restringir o uso de certos tipos de lavadores devido à incerteza que há sobre os efeitos das águas residuais que são deitadas para o mar.
Face a isto, a IMO aconselhou um estudo mais aprofundado sobre o impacto do uso dos lavadores para o meio ambiente.


Indústria marítima une esforços para uso de purificadores de escape


Sem comentários:

Publicar um comentário