sábado, 14 de dezembro de 2019

CMA CGM começa a utilizar biocombustível


O CMA CGM Group anunciou ter feito uma parceria com a Shell para fornecer dezenas de milhares de toneladas de biocombustível marinho. O combustível permitirá que os navios do Grupo viajem quase um milhão de quilómetros, o equivalente a mais de 80 viagens de ida e volta entre Roterdão e New York.


CMA CGM
Photo CMA CGM

Navios não deverão estar preparados para as regras do IMO 2020



Em 2019, a CMA CGM testou com sucesso o uso de um biocombustível marinho a bordo dos navios porta-contentores CMA CGM “White Shark” e CMA CGM “Alexander von Humboldt”.

O combustível usado é composto por 80% de óleo combustível com baixo teor de enxofre e 20% de um biocombustível feito com óleo de cozinha usado. O biocombustível usado reduz as emissões de gases de efeito estufa em 80% e praticamente elimina as emissões de óxidos de enxofre.
Além das soluções técnicas para limitar as emissões de gases de efeito estufa, a CMA CGM quer unir todos os interessados do transporte marítimo em uma coalizão internacional iniciada por Rodolphe Saadé, Presidente e CEO do CMA CGM Group, e apoiada pelo presidente francês Emmanuel Macron. Esta coalizão de alto nível trabalhará para a introdução da energia limpa e para o transporte livre de carbono.

A Iniciativa para Transporte Sustentável (SSI) lançou neste mês o relatório “O Papel dos Biocombustíveis Sustentáveis ​​na Descarbonização do Transporte na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática” (COP25). O relatório indica que os biocombustíveis derivados da biomassa podem ser uma opção atraente para o setor de navegação e podem ser usados ​​como matéria-prima para produzir combustíveis como álcool etílico e metanol, biogás liquefeito (LBG) ou biodiesel.
No início deste mês, a MSC anunciou que começou a usar biocombustíveis para abastecer navios que fazem escala em Roterdão e pretende aumentar a proporção de mistura de 10 para 30%. Este será o combustível usado no futuro.

Os purificadores são a melhor opção para as restrições da IMO



A revolução no combustível marítimo está a semanas de distância







Sem comentários:

Publicar um comentário