terça-feira, 12 de novembro de 2019

ABB apresenta estação flutuante de abastecimento de combustível limpo


O ZEEDS, ou Distribuição de Energia de Emissão Zero no Mar, é um novo conceito que usa energia eólica e solar para produzir hidrogénio, amónia ou biogás líquido no mar, com produção e abastecimento inicialmente localizados ao longo das Rotas de Navegação do Norte da Europa. Os parceiros são Equinor, Kværner, Aker Solutions, Grieg Star, DFDS e a Wärtsilä.



Imagem ABB.com


Navio “Wes Amelie” vai testar gás natural sintético, isento de emissões




A central é um sistema de plataforma offshore que produzirá, armazenará e distribuirá combustível limpo para as embarcações. As plataformas serão estruturas fixas ao fundo em regiões de baixa profundidade ou e flutuadores semi-submersíveis em águas mais profundas
A energia limpa será fornecida por cerca de 75 grandes turbinas eólicas por plataforma. Uma turbina de 12MW pode produzir energia suficiente para abastecer um navio, o que significa que cada plataforma pode produzir combustível suficiente para abastecer cerca  de 65 embarcações por dia.
"O nosso objetivo é um caminho mais rápido para o transporte com emissões zero, mas o objetivo deve ser alcançado com 100% de energia renovável", diz o porta-voz do projeto da ZEEDS, Cato Esperø. A ideia é fechar a lacuna entre a situação atual e as necessidades futuras, com base nas 17 metas de desenvolvimento sustentável da ONU.


Imagine uma rede de centros de energia limpa posicionados perto das rotas marítimas mais movimentadas do mundo, capazes de fornecer e distribuir combustíveis limpos para a frota mundial”, diz Esperø. "Parece ambicioso, mas se formos realmente sérios sobre a gestão das mudanças climáticas, precisamos de grandes ideias e ações ousadas".
Esse projeto multifacetado requer o que Esperø chama de "competência composta". “Sabíamos que precisávamos de parceiros nos campos da energia, engenharia e construção. O que todos os diferentes parceiros do projeto têm em comum é uma perspetiva sustentável. ”
Ele ressalta que os parceiros não são necessariamente concorrentes, mas que podem estar em determinados contextos. O projeto define a maioria do trabalho, mas os parceiros também trabalharão nas suas próprias iniciativas

A revolução no combustível marítimo está a semanas de distância


ZEEDS: porquê e como?


A opinião pública e os regulamentos criaram o argumento para soluções alternativas”, diz Esperø, mas ele afirma que o atual conceito de transporte limpo não possui combustível adequado para ser realizado. "Acreditamos que, abordando a cadeia de fornecimento, armazenamento e distribuição, podemos acelerar a mudança para combustíveis de transporte mais limpos".
A ideia de colocar instalações nas rotas de navegação não deixa de ter seus desafios. “Identificamos os locais estratégicos, apresentamos o conceito e fizemos a pergunta: isso é viável?”disse Esperø  
O resultado é um conceito que deve ser escalável e flexível para aplicação global, diz ele. O projeto procura utilizar a tecnologia existente, mas montada de novas maneiras, incorporando objetivos de desenvolvimento adicionais para tecnologias selecionadas.



Imagem ABB.com


“MSC Europa” será o primeiro navio do mundo com células de combustível a GNL




O combustível certo no lugar certo

A indústria ainda não decidiu qual é o combustível certo”, aponta Esperø, “então tivemos que apostar num. Começamos com hidrogénio, mas a amónia é um produto do hidrogénio e, sem dúvida, mais fácil de trabalhar, com uma densidade de energia mais alta que o hidrogénio. ”
Embora o foco atual da ZEEDS seja a amónia verde como combustível viável de emissão zero, uma vez que pode ser usado em embarcações movidas a GNL existentes sem grandes modificações, o conceito é classificado como “agnóstico ao combustível”, com a possibilidade de incluir combustíveis como como hidrogénio ou biogás líquido.


O primeiro navio de cruzeiro X-Bow do mundo começa a sua primeira expedição antártica



A amónia seria armazenada nas instalações ou em tanques no fundo do mar, usando a pressão da água para manter o combustível líquido. A distribuição usaria bunker de navio para navio (STS) no mar, minimizando o tempo de inatividade operacional e evitando o congestionamento nos portos. O abastecimento de combustível seria realizado por unidades autónomas chamadas EPVs (Energy Providing Vessels), alimentadas por carga própria e com um alcance de 50 milhas náuticas em volta dos centros-mãe.

O conceito ZEEDS exigiria um novo tipo de infraestrutura e um novo modelo, e esse tipo de renovação requer um programa de incentivos realista. A sociedade ou o negócio devem atuar como motor? De qualquer forma, precisamos de incentivos para começar. ”
Ele ressalta que a colaboração é a chave. “Juntos, podemos despertar o público para as novas possibilidades. O espírito do projeto deve ser generoso, aberto e confiante, mas também devemos ter impulso e progresso suficientes. Temos que ser de alta energia e de alto nível para fazê-lo funcionar."

Havyard desenvolve células de combustível de hidrogénio para navios de grande porte


Fonte//ABB.com



Sem comentários:

Publicar um comentário