sábado, 19 de outubro de 2019

Os purificadores são a melhor opção para as restrições da IMO

 A 1 de Janeiro de 2020, as normas da IMO referentes ao limite do teor de enxofre entrarão em vigor e os navios precisarão queimar óleo combustível com baixo teor de enxofre (LSFO), a menos que estejam equipados para usar GNL ou tenham instalado um sistema de limpeza de gases de escape (também conhecido como depurador).


Photo  MarineLink

Navios não deverão estar preparados para as regras do IMO 2020


Trata-se de uma mudança regulatória maciça, com impactos significativos na indústria.
Estima-se que até essa data, até 4.000 navios estejam já equipados com lavadores, e com muito mais operadores a seguir esse caminho, refletindo o fato de que os lavadores oferecem benefícios financeiros e ambientais significativos.

Custo

O combustível é um dos maiores custos de um operador de navio e o diferencial de preço entre HSFO e LSFO espera-se ser significativo, com analistas prevendo que o LSFO custará entre US $ 100 a 300 por tonelada a mais do que o HSFO.
Embora ainda não saibamos o custo exato do LSFO a 1 de janeiro de 2020, a instalação de um depurador é um investimento significativo, mas parece certo que as economias obtidas com a queima do HSFO em vez do LSFO compensarão o custo da instalação, sugerindo-se que apenas em alguns meses poderão compensar e 'recuperar' o investimento necessário.


Montagem de um purificador Photo  MarineLink


Indústria marítima une esforços para uso de purificadores de escape



Disponibilidade

Outra vantagem é a disponibilidade. Apesar de só faltarem três meses ainda não há certezas da disponibilidade de combustível LSFO em todos os portos.
Estão sendo construídas em todo o mundo, novas refinarias, que produzirão apenas LSFO. Mas existem as refinarias atuais, cerca de 700 a produzir HSFO em todo o mundo.
Para processar o HSFO e transforma-lo em LSFO, é necessário que as refinarias existentes invistam pesadamente na atualização das suas instalações, e isso não acontecerá da noite para o dia. Como resultado, é seguro afirmar que, independentemente da disponibilidade do LSFO, o HSFO estará disponível por algum tempo.


Benefícios ambientais

A maioria dos depuradores está projetada para remover os poluentes que mais contribuem para uma ampla gama de sérios problemas de saúde. Um purificador não apenas remove a maior parte dos óxidos de enxofre dos gases de escape dos motores e caldeiras dos navios, mas também remove até 94% da matéria particulada, até 60% do carbono preto e uma quantidade significativa de policiclos, os hidrocarbonetos aromáticos.
No geral, um lavador realmente oferece a melhor maneira de atender aos requisitos ambientais do limite global de enxofre, enquanto reduz o impacto ambiental do transporte marítimo, impedindo a poluição do ar, seja o navio no mar ou no porto.



Photo Liscr


Em 2050 60% dos navios utilizarão o GNL como combustível.



Os depuradores de circuito aberto serão proibidos?

Os lavadores foram aceites como um método aprovado de conformidade pela IMO, União Europeia e Agência de Proteção Ambiental dos EUA, após considerável análise e escrutínio científico.
Mas alguns lugares proibiram a tecnologia de purificador de loop aberto, prejudicando as regras que eles estão tentando aplicar.
Isso é contrário aos vários estudos independentes, incluindo Koski 2017, Carnival Corp-DNVGL 2019, Japan MLIT 2019 e CE Delft 2019, que mostraram que os lavadores oferecem um meio seguro e eficaz para cumprir a IMO 2020.
A organização independente de pesquisa SINTEF declarou recentemente que o uso do HSFO com um depurador oferecia a opção ambientalmente mais benéfica para conformidade. Segundo a cientista chefe do SINTEF, Dra. Elizabeth Lindstad, a energia necessária na produção global de LSFO produz muito mais GEE do que na produção de HSFO. Além disso, o Dr. Lindstad sugere que os lavadores, que eliminam o carbono preto e as partículas, realmente oferecem aos armadores a melhor solução a longo prazo contra a legislação focada no carbono.

Melhor opção, um híbrido?

A Pacific Green Technologies está há mais de uma década projetando, planeando, fabricando e implementando lavadores em embarcações e recomenda seu sistema ENVI-Marine ™, que pode ser fornecido como sistema de ciclo aberto, pronto para híbrido de ciclo aberto ou totalmente híbrido capaz de ambas as operações, em modo aberto ou fechado, dependendo da alcalinidade do mar e dos regulamentos de emissão de efluentes onde quer que o navio esteja localizado.

Instalada com sucesso em navios-tanque, graneleiros e navios porta contentores, a empresa também está introduzindo lavadores para navios de passageiros. O sistema ENVI-Marine ™ é menor, mais eficiente e mais barato de instalar do que os produtos dos concorrentes. Utiliza uma nova geração de tecnologia de lavagem, baseada em um conceito simples. Primeiro, arrefece os gases de combustão, depois os limpa com uma espuma especializada através da água do mar pura, usando seu processo patenteado TurboHead ™; depois, liberta na forma de sais inofensivos, ou os armazena para entregar em terra.
Por último, mas não menos importante, apesar do prazo que se aproxima, alguns operadores de navios recusam-se a parar as embarcações para adaptação.
 Nesses casos, os armadores e operadores devem procurar um fabricante com capacidade operacional para gerenciar uma resposta rápida com tempo mínimo de instalação.
 A PGT firmou parceria com a chinesa PowerChina, estatal, para oferecer uma solução líder no setor, dentro do prazo e do orçamento.


Porto de Antuérpia encomenda rebocador movido a hidrogénio





Sem comentários:

Publicar um comentário