quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Os navios movidos a energia nuclear


A energia nuclear como combustível para navios é uma solução com emissões zero. Não emite SOx, NOx, CO2 ou partículas. A tecnologia também é milhões de vezes mais densa em termos de energia do que os combustíveis fósseis e opções alternativas de combustível que atualmente estão sendo consideradas como metanol, amónia e hidrogénio. No que respeita á meta de reduzir os gases de efeito estufa (GEE) da IMO até 2050, é a única solução comprovada atualmente disponível, capaz de substituir os combustíveis fósseis em todas as aplicações marítimas.


NS Savannah, o primeiro navo nuclear civil do mundo Photo: ssMaritime

Nova tecnologia para a produção de hidrogénio 'verde'

A tecnologia está longe de ser nova, a primeira central nuclear entrou em operação em 1955. Desde então, existem cerca de 700 reatores em operação no mar. Isso equivale a milhares de anos de experiência operacional. A tecnologia não se limita apenas às marinhas de guerra, também houve aplicações marítimas civis.
A Rússia opera navios mercantes nucleares desde há muitos anos onde se inclui quebra-gelos movidos a energia nuclear, sendo que, alguns desses navios funcionam como navios de passageiros no verão, no círculo ártico. Pode-se afirmar que já existem muitos navios movidos a energia nuclear.



A energia nuclear pode ser uma opção particularmente atraente para a indústria dos ferries, não apenas devido a emissões zero, mas também porque elimina a necessidade de abastecer combustível ao embarcar e desembarcar passageiros, o que se torna mais um desafio para os novos combustíveis. Quaisquer requisitos futuros para usar a energia ligada a terra para limitar as emissões, seriam postas de parte com o uso da energia nuclear. Seria até possível o navio fornecer energia ao porto onde atraca, e ter assim uma fonte adicional de receita. Atualmente, a Energia Nuclear está excluída do Índice de Projeto de Eficiência Energética (EEDI), o que significa que não há restrições para navios que operam usando a tecnologia.
A perceção e aceitação dessa tecnologia pelas pessoas, é ainda um problema, mas os riscos são mesmo reais? O desenvolvimento tecnológico aprimorado ao longo dos anos garantiu que mecanismos de segurança contra falhas sejam incorporados aos projetos de reatores para na existir saída de radiação em caso de falha. A aceitação mútua entre os países para a implementação regulatória terá que estar em vigor para que a procura por esta fonte de energia aumente, podendo ser esta a única alternativa para a os combustíveis marinhos com emissões realmente zero.

Russia lançou o quebra-gelo nuclear "Ural"


O navio quebra-gelo, “RV Polarstern”, ficará retido no gelo do Ártico, de propósito


Fonte//Hellenicshippingnews


Sem comentários:

Publicar um comentário