terça-feira, 29 de outubro de 2019

Estaleiro russo lança quebra-gelo polivalente


O Estaleiro Admiralty, em São Petersburgo, lançou um nm navio de resgate, quebra-gelo, equipado com mísseis de cruzeiro. Um "quebra-gelo de combate" polivalente projetado para defender os interesses russos no Ártico.

Photo Sputnik / Aleksandr Galperin

O futuro “Ivan Papanin "combina as funções de um rebocador, patrulha, quebra-gelo e navio científico. Ele pode resolver um número ilimitado de tarefas diferentes e, graças às soluções de design inerentes, pode trabalhar na região do Ártico da maneira mais eficiente possível, segundo declarações do presidente da United Shipbuilding Corporation, Georgy Poltavchenko, á comunicação social russa.


O “Ivan Papanin” é considerado a resposta da Rússia ao navio de resgate quebra-gelo de classe Svalbard da Guarda Costeira norueguesa, que está equipado com uma arma de convés e pode transportar um pequeno sistema de defesa aérea. No entanto, o “Ivan Papanin” está sendo construído como uma embarcação militar e está equipado, com oito mísseis Kalibr-NK. O “Ivan Papanin” terá uma capacidade de defesa de superfície e ataque terrestre no horizonte, algo mais vulgarmente associado a uma fragata ou destroyer do que a um navio patrulha.

Photo Sputnik / Aleksandr Galperin


O “Ivan Papanin” foi projetado para quebrar gelo com cerca de 50 cm de espessura, aproximadamente a mesma especificação do quebra-gelo médio da Guarda Costeira dos EUA “Healy”, que também possui um hangar para um helicóptero e um turco de lançamento para dois barcos-patrulha de alta velocidade.


O “Ivan Papanin” tem entrega prevista em 2021. Um segundo navio da classe, o futuro “Nikolay Zubov”, tem entrega prevista para 2024. Estes dois navios fazem aumentar a grade frota de quebra-gelos da Rússia, e é já a maior do mundo. Atualmente, a Rússia opera 46 navios quebra-gelo (sem contar com os navios de carga quebra-gelo). Outros três novos quebra-gelos pesados, ​​movidos a energia nuclear, os navios da classe Arktika , deverão ser entregues nos próximos anos.




Fonte//RT.russia


Sem comentários:

Publicar um comentário