sábado, 4 de maio de 2019

Tornando verdes as estradas azuis


As ferries de hoje funcionam quase na sua totalidade com combustíveis fosseis No Império Romano, dois bois faziam movimentar uma roda e movimentar o navio e supostamente é um dos primeiros ferries conhecidos.
Milhares de anos depois, barcos movidos  com recurso a animais, foram amplamente utilizados como ferries  no seculo XIX na América. Com a chegada da Revolução Industrial apareceram os barcos a vapor usando carvão e substituíram ferries que usavam cavalos e mulas em sitios como o Lago Champlain e o rio Mississippi. Em todos os setores e sociedades, a mudança para combustíveis fósseis tornou o ambiente mais húmido, mais quente e muito mais poluído.
Para combater o aquecimento global, certos governos estão encorajando modos de transporte mais ecológicos.




                                                                   O ferry híbrido Berlim (imagem  Scandlines)

Para breve as células de combustível para o mercado dos cruzeiros



O setor de transporte marítimo é um dos principais alvos para a redução de gases de efeito estufa, especialmente porque as emissões causadas pelos navios aumentaram com a recuperação da crise financeira global de 2008-2009. Um relatório do Conselho Internacional de Transporte Limpo observou que, entre 2013 e 2015, as emissões de CO 2 resultantes da navegação aumentaram de 910 para 932 milhões de toneladas. Além disso, embora a eficiência dos motores melhorasse em média, os navios queimavam mais combustível à medida que viajavam mais longe, com mais velocidade e com mais frequência.
Para reduzir as emissões, a IMO (OMI) adotou duas políticas principais.
Primeiro, o Índice de Projeto de Eficiência Energética (EEDI) exigirá que todos os navios construídos após 2025 sejam 30% mais eficientes do que aqueles construídos em 2014. Segundo, virados para as frotas existentes, o Plano de Gerenciamento de Eficiência Energética do Navio (SEEMP) promove modificações efetivas que melhorem o consumo de combustível.
 Embora essas medidas tenham sido criticadas por serem consideradas pouco, especialmente porque as regulamentações mais rigorosas para as novas construções afetam apenas cerca de 15% da frota global elas são o primeiro passo.

Enquanto navios de carga, porta-contentores, graneleiros e petroleiros emitem a maior parte dos gases de efeito estufa a nível mundial, os setores público e privado estão tentando cada vez mais reduzir a pegada de carbono dos ferries na medida em que a procura por este meio de transporte aumenta.
Anualmente, a indústria ferry transporta 2,1 mil milhões de pessoas, quase os 2,3 mil milhões passageiros que viajam de avião. Enquanto um ferry médio emite 0,12 kg de CO 2 por passageiro/quilômetro, significativamente menos do que aviões e cerca de metade da média do automóvel nos EUA, ainda é maior do que outras formas de transporte de massa, como os comboios. Os  ferries rápidos (HSC), que servem locais como as Ilhas Gregas e o Mar Báltico, são ainda mais poluentes.

Na Noruega a Norled AS ganhou concurso para a construçao de um ferry movido a hidrogénio


Para reduzir as emissões, as empresas estão explorando tecnologias de ponta, como energia híbrida e baterias elétricas. Como ferries normalmente fazem viagens mais curtas do que comboios ou aviões, são perfeitos para as capacidades atuais das baterias.
Em 2015, o governo norueguês começou a exigir que todos os novos operadores tivessem tecnologia de baixa ou zero emissões instalada. Enquanto isso, a UE está financiando uma variedade de projetos de ferries ecológicos, incluindo o "e-Ferry" da Dinamarca, 100% elétrico que funciona com a maior bateria do mundo e emite zero de gases do efeito estufa.
O fornecedor de soluções de armazenamento de energia baseado na Suíça, Leclanché, é um participante-chave no projeto e-Ferry. O Leclanché Marine Rack System (MRS), um sistema modular de baterias de íon de lítio que pode fornecer 4,2 Mwh de energia, evalimentará o e-Ferry, permitindo navegar até 21,4 milhas náuticas antes de recarregar. A meta é ter 10 e-Ferries em operação até 2020 e 100 até 2030, representando potencialmente uma redução total de 100.000 a 300.000 toneladas de emissões de CO 2 .

Para além do projecto e-Ferry liderado pela UE, estão em curso outros esforços na Dinamarca para o desenvolvimento de ferries ecológicos. O país peninsular está localizado no centro da densa rede de ferries no mar Báltico. Da capital, as embarcações partem para lugares tão próximos quanto o Kattegat na Suécia até lugares tão distantes como as Ilhas Faroe.



Photo RMC

A Corvus Energy ganha a maior encomenda do mundo de baterias para navios híbridos



Em 2013, a Scandlines, sediada em Copenhaga, tornou-se a primeira empresa de navegação do mundo a fazer uso de um sistema híbrido que armazena energia em baterias a bordo do navio. Anette Ustrup Svendsen.
Graças a essa inovação, as emissões de dióxido de carbono do ferry foram reduzidas em 15%. A Scandlines planeja reduzir o consumo de energia tanto quanto possível com seu Projeto Zero Emission, que está mudando os ferries da empresa para 100% elétrico.
Se o futuro dos ferries na Europa é promissor, na Ásia essa preocupação ecológica não existe, ou existe muito pouco. Preocupações do governo com os ferries limitam-se em melhorar a segurança em países arquipélagos, como a Indonésia e as Filipinas, em vez de minimizar as pegadas de carbono.


Apesar disso,na cidade portuária de Kaohsiung, em Taiwan, o primeiro ferry elétrico da Ásia entrou em serviço no ano passado com o objetivo de reduzir o uso de diesel em 65.000 litros e as emissões de CO2 em 170.000 quilos anualmente.
 À medida que as empresas de engenharia e design, juntamente com as operadoras  de todo o mundo, buscam soluções ecológicas, Silva, da ABB, salienta que, em última análise, os governos devem pressioná-los mais .

Incat Crowther projeta ferry Ro-Pax de 1000 Passageiros a China


Silva sugere a possibilidade de governos fornecerem apoio financeiro para novos projetos de construção como um meio de avançar para os ferries verdes. A julgar pelos projetos atuais em todo o mundo, enquanto se fazem importantes reformas em navios mais antigos, algumas das tecnologias mais promissoras, como baterias enormes e navios silenciosos, vão aparecendo nas novas construções.
Se os governos e as empresas mantiverem o ritmo, os passageiros dos ferries de amanhã não verão mais o fumo a sair pelas chaminés porque navegam com eletricidade.


Wallenius Marine projeta transportador de carros á vela



Sem comentários:

Publicar um comentário