domingo, 6 de janeiro de 2019

Novo serviço ferry entre Catar e Omã


A operadora iraniana Karaneh Line está lançando um novo serviço ferry para permitir aos cidadãos do Catar viajar com seus carros até Omã e Kuwait, sem passar pelo território saudita. Desde que a Arábia Saudita impôs um embargo ao Qatar em 2017, as viagens terrestres para a península do Qatar estão restritas. Esta será o primeiro serviço desse tipo para o Catar.


Photo Vesselfinder

Veja Tambem Novo Ro-Pax M/S "VISBORG" batizado na China


O primeiro navio a operar nesta linha será o ro/pax “GrandFerry”, construído em 1983, devendo começar a operação em breve, de acordo com o porta-voz Faisal Mohamed al-Sulaiti. O ferry também deverá transportar carga para rentabilizar a operação.
O navio recentemente adquirido pode transportar até 700 carros, e tem de 270 camarotes de passageiros para viagens noturnas, tem também um pequeno cinema, uma sala de jogos para crianças, mesas de bilhar, uma clínica médica e uma variedade de instalações para refeições. A viagem do Qatar para Omã terá a duração de um dia.
O “Grand Ferry” (ex Corse ) serviu a  extinta operadora SNCM de 1983 até 2014. A SNCM faliu em 2016 e o “Corse” foi vendido ao novo proprietário sendo rebocado para um estaleiro em Chalkis para reparação e beneficiação.

O “Grand Ferry” será operado por uma empresa grega em conjunto com companhia ferry iraniana Karaneh Line. Esta é a segunda unidade ro/pax adquirida pela Karaneh em dois anos. A outra unidade é o “Sunny” ex “Trelleborg” que pertencia á Stena Line e construído em 1982. De acordo com os registros da Equasis, o “Grand Ferry” e o “Sunny” são operados por empresas separadas que compartilham o mesmo endereço no Pireu.

Photo Shipspoting

Veja Tambem  Austral entrega dois ferries de alta velocidade em 2020


A Karaneh Line nega que seja uma firma iraniana, apesar de seu gestor de frota informar que sim. A Karaneh Line afirma que trata-se de um operador baseado nas Ilhas Marshall. Os EUA advertem que entidades empresariais iranianas têm canalizado transações através de empresas em países terceiros para evitar sanções.

Sem comentários:

Publicar um comentário