sábado, 5 de janeiro de 2019

Francês de 71 anos atravessa Atlântico num “barril”


O aventureiro francês Jean-Jacques Savin, de 71 anos de idade, está atravessando o Atlântico num "barril" de três metros sem quaisquer meios de propulsão mecânicos, dependendo apenas das correntes marítimas e de vento.

Photo Facebook

Veja Tambem Austral entrega dois ferries de alta velocidade em 2020



 Savin partiu de El Hierro, nas Ilhas Canárias, em 26 de dezembro, e tem como objetivo completar a viagem de 4.500 quilômetros (2.800 milhas) para o Caribe em cerca de três meses. Seu barril tem cerca de seis metros quadrados de área útil e inclui quatro vigias, incluindo uma para baixo de água. A entrada é feita por meio de uma escotilha de 60 centímetros na parte superior e a embarcação tem uma quilha com peso para o equilíbrio.
 O seu site mostra um plano da embarcação e uma lista de equipamentos que ele transporta. O equipamento de segurança a bordo inclui um farol de socorro pessoal, um bote salva-vidas, uma âncora flutuante, um extintor de incêndio, um colete salva-vidas e uma bomba de esgoto.


Photo Facebook

 

Dois painéis solares de 100W são a fonte de energia para as ligações via satélite, estando a actualizar a pagina do Facebook .
 Savin, um ex paraquedista, já atravessou o Atlântico quatro vezes num veleiro. Desta vez, ele descreveu sua viagem como uma "travessia durante a qual o homem não é capitão de seu navio, mas um passageiro do oceano".
A ideia surgiu ao ler um livro de Alain Bombard intitulado Naufragé Volontaire , publicado em 1953.."
Bombard era um biólogo, médico e político francês famoso por navegar pelo Oceano Atlântico em barcos pequenos. Ele teorizou que um ser humano poderia sobreviver à viagem sem provisões e decidiu testar sua teoria para ajudar a salvar pessoas perdidas no mar.


Photo Facebook

Bombard navegou em um barco insuflável Zodiac chamado l'Hérétique , com 4,5 metros de comprimento, apenas com um sextante e quase sem provisões. Bombard informa que ele sobreviveu pescando (usando peixe como fonte de água doce e comida) com um arpão e ganchos feitos por si e colhendo o plâncton da superfície com uma rede pequena, tendo perdido 25 quilos na odisseia.

Bombard afirma ter bebido uma pequena quantidade de água do mar durante sua viagem. As suas ideias de sobrevivência foram posteriormente desafiadas por Hannes Lindemann, um médico alemão, canoísta e pioneiro da navegação. Lindemann queria repetir a viagem de Bombard, a fim de obter uma melhor compreensão da vida apenas com água salgada e peixes, mas descobriu que ele precisava de água doce (da chuva) na maioria dos dias. Mais tarde, Lindemann alegou que o Bombard realmente levara água fresca e a consumira no oceano, e que ele também tinha recebido mais mantimentos durante a viagem. As próprias observações de Lindemann sobre as reações á escassez de água doce tornaram-se a base das recomendações de navegação da Organização Mundial da Saúde.

 
Photo Facebook


Veja Tambem Russia começa a construçao de plataforma polar



As provisões de Savin incluem um gerador de água doce acionado manualmente. Sua viagem custa cerca de US $ 65.000, e é financiada por uma empresa de fabricantes de barris franceses.



Fonte//MaritimeExecutive

Sem comentários:

Publicar um comentário