quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Volcan de Tagora inícia operaçao


O catamarã "Vulcan Tagoro", começou esta manhã na linha Las Palmas de Gran Canaria-Santa Cruz de Tenerife. Esta é a primeira viagem comercial do ferry mais avançado do mundo e marca uma nova etapa na história das comunicações marítimas nas Ilhas Canárias, com um excelente nível de conforto e serviço.


Photo Puentedemando

O catamarã "Vulcan Tagoro" torna-se agora a melhor opção para viajar entre as duas capitais das Canárias, pois possibilita a comunicação "de centro a centro" e posicionando-se assim como um importante competidor não só no ramo do transporte marítimo, que é, mas competindo também com o transporte aéreo. É um salto qualitativo significativo sendo previsível que a apresentação oficial do novo navio seja feita em setembro próximo.

O novo ferry da Naviera Armas chegou na tarde do último sábado, 10 de agosto, ao porto de Las Palmas de Gran Canaria, após uma longa viagem de 25 dias e 13.000 milhas desde a Austrália.
O novo ferry rápido tem 10.870 toneladas brutas e 1.000 toneladas de porte bruto, mede 111 metros de comprimento e capacidade para 1.184 passageiros, sendo 155 em classe executiva e 16 tripulantes, além de uma garagem com dois pavimentos e capacidade para 215 automóveis e 595 metros lineares para carga rolada. Mantém uma velocidade de serviço de 36 nós, alimentada por quatro motores MAN 28 / 33D STC 20V, com uma potência de 9,100 kW cada, que acionam o mesmo número de jatos de água fabricados pela Wärtsila.



Fonte//Puentedemando




domingo, 28 de julho de 2019

Cimenteiro Cemstar, a caminho dos Socorridos


Afim de descarregar cimento a granel, o navio cimenteiro “Cemstar” atracou no terminal dos Socorridos.



A Incat Crowther constroi um ferry catamarã para a Coreia



Procedente de Setúbal o navio é agenciado pela Transinsular, e deverá partir para o mesmo destino no próximo dia 30 de Julho.



Knud E. Hansen apresentou o projeto para um navio de cruzeiro á vela




Características:

Nome: CEMSTAR.
Tipo: Cimenteiro.
IMO: 7527849.
Indicativo: V7FT7.
MMSI: 538005655.
Bandeira: Ilhas Marshall.
Porto de Registo: Majuro.
Numero Oficial: 5655.
Donos: SMT Shipmanagement & Transport Gdynia Ltd. Sp zoo- Sopot, Polônia.
Operadores: SMT Shipping Cyprus Ltd.- Limassol, Chipre.
Classe: Bureau Veritas.
Ano de Construção: 1977.
Estaleiro: Aarhus Flydedok A/S- Aarhus, Dinamarca- Casco#167.
Comprimento Fora a Fora: 113,04 metros.
Boca Máxima: 15,63 metros.
Calado: 6,53 metros.
Arqueação Bruta: 4,082 toneladas.
Porte Bruto: 6,088 toneladas.
Número de Tripulantes: 15.
Potência de Maquinas: 3,056 kW (4,154 hp), 750,00 rpm. 2 hélices CP.
Velocidade de Serviço: 14,50 nós.
Potência de Geradores Auxiliares: 2,665 kW.
Aumentado em 1999.



Projeto de navegação autónoma “Autoship” financiado pela União Europeia



Fotos Pedro Amora
Informação Paulo Peixoto





sábado, 20 de julho de 2019

“BOKA Vanguard” carrega “Carnival Vista” para reparações

O navio de cruzeiro “Carnival Vista”foi carregado no convés da embarcação semi-submersível “BOKA Vanguard” para reparação em doca seca em Freeport, nas Bahamas.
O proprietário do navio, Royal Boskalis Westminster, informou que a operação de carregamento começou no sábado a alguns quilômetros da costa de Freeport, tendo demorado aproximadamente 12 horas.


Photo: Royal Boskalis Westminster NV

Navio semi-submersível “Forte” descarrega Tango FLNG na Argentina



Uma vez carregado, o “BOKA Vanguard” transportou o “Carnival Vista” para o estaleiro Grande Bahama, onde a reparação dos azipods do navio ocorrerão enquanto o navio de cruzeiro estiver no “BOKA Vanguard”. Uma vez concluído, o “Carnival Vista” será posto a flutuar a tempo para sua próxima viagem programada partindo de Galveston, no Texas, em 27 de julho.
O “BOKA Vanguard”, com um deck de 275 metros por 70 metros, é o maior navio semi-submersível do mundo e é normalmente usado para transportar estruturas de petróleo e gás offshore ou outras embarcações que precisem de transporte.






Photos: Royal Boskalis Westminster NV

Operaçao de carga de guindastes de porto Liebherr


O uso da embarcação como uma espécie de doca seca móvel, no entanto, acredita-se ser a primeira operação desse tipo em qualquer parte do mundo. A Boskalis disse que a decisão de usar o “BOKA Vanguard” como plataforma de doca seca ocorre devido a não haver nenhum outro equipamento disponível na região.

Freeport, localizada a apenas 90 milhas náuticas de Miami, é o lar do Grand Bahama Shipyard, um dos principais estaleiros de reparação naval no sul da Flórida. Uma das três docas secas do estaleiro foi danificada no início deste ano num acidente ocorrido durante a reparação do navio de cruzeiro“Oasis of the Seas”. 







Operaçao de carga de um portico de 614 toneladas

Fonte//GCaptain






sexta-feira, 19 de julho de 2019

Volcan de Tagora ja viaja para as Canárias

O mais avançado catamarã do mundo,"Volcan de Tagoro", saiu do porto de Hobart, na Tasmânia no passado dia 16, na sua viagem posicional para Las Palmas de Grã Canaria.


Photo Walter Pless "Vesselfinder"

A Incat Crowther constroi um ferry catamarã para a Coreia


Comandado pelo capitão Iván Concepción, o novo navio da Naviera Armas, efetuará a viagem da Tasmânia para as ilhas Canarias em cerca de 21 dias, sendo a sua primeira escala em Auckland (norte da Nova Zelândia), rumando depois para Papetee, no Tahiti atravessando de seguida o Canal do Panamá, de onde rumará direto para Las Palmas de Gran Canaria.


Este catamarã é a grande novidade na frota do Grupo Armas-Trasmediterránea, É grande a expectativa gerada pela chegada deste novo e inovador navio ao arquipélago Canário, sendo mais um navio a juntar-se a enorme frota de embarcações de alta velocidade, (já não futuristas, mas muito atuais), que cada vez mais caracteriza a marinha mercante espanhola



Photo Incat

Novo Catamarã da Naviera Armas começa a operar em Junho próximo



O Volcan de Tagoro tem capacidade para 1200 pessoas, incluindo a tripulação, e o amplo convés dos veículos permite quase 595 metros lineares para camiões e 219 carros, ou 401 viaturas ligeiras quando transporta  automóveis. Os espaços para passageiros são divididos em três classes, Primeira Classe, Classe Executiva e Económica, cada uma oferecendo bares e áreas de serviço de alimentação. Uma loja de presentes e brincadeiras infantis também estão localizadas a bordo.
O navio é alimentado por quatro motores a diesel MAN 20V que accionam jatos de água Wartsila, tendo conseguido atingir mais de 42 nós com peso morto de 600 toneladas durante testes de velocidade, alcançando facilmente sua velocidade de contrato e a velocidade de serviço exigida para as rotas espanholas.


A Incat Crowther constroi um ferry catamarã para a Coreia


quarta-feira, 26 de junho de 2019

A Incat Crowther constroi um ferry catamarã para a Coreia


A Incat Crowther anunciou mais um contrato para construir um ferry catamarã de passageiros de 65m para operação na Coreia. O Incat Crowther 65 será construído pelo estaleiro Khan Co. Ltd de Geoje-si, Coréia e operado pela Dolphin Shipping Co., Ltd.
A embarcação operará na ligação entre Pohang, na Coreia continental e a ilha de Ulleung-do, passando a ser a segunda maior embarcação da rota. Será o primeiro ferry de alta velocidade construído especificamente para esta ligação.


Photo Incat Crowther

HSC Mega Jet regressa aos Açores



O estaleiro Khan Co,Ltd,  está bem referenciado e estabelecido na indústria de construção naval da Coreia. A Incat Crowther trabalhará com a Khan para desenvolver a capacidade de construção de embarcações leves de alumínio de alta velocidade, em conformidade com o Código HSC da IMO e as regulamentações locais da Korean Register of Shipping (KRS).
 Esta “transferência de tecnologia” é uma característica fundamental do serviço de design da Incat Crowther, e permite que os construtores se beneficiem da expertise líder mundial no setor.


Photo Incat Crowther

Incat vai construir o maior navio de alumínio do mundo



Com o nome provisório de Dolphin 3, a embarcação transportará 710 passageiros em dois conveses, com a casa do leme localizada em um terceiro convés com visibilidade total. Os pontos de embarque de grandes dimensões estão localizados na popa e a meia-nau para facilitar o embarque rápido de passageiros. Existem vários espaços para cadeiras de rodas no convés principal, bem como um quiosque. Há também muitos compartimentos para bagagens, bem como módulo de acomodação da tripulação à ré. O andar superior salão VIP a estibordo para 4 pessoas, equipadas com assentos de primeira classe e excelente visibilidade externa.

Devido ao seu tamanho e excelentes características de navegabilidade, o Incat Crowther 65 será mais capaz em águas mais agitadas do que os barcos existentes, melhorando drasticamente o número de dias em que o serviço é executado.
Mantendo uma ligação vital para Ulleung-do, a Dolphin Shipping está planeando oferecer um novo nível de velocidade e conforto, com assentos luxuosos, amplas comodidades. Prevê-se que a melhoria da velocidade, conforto e operabilidade farão uma diferença substancial na vida dos habitantes das ilhas e na captação de turistas.


Photo Incat Crowther

Ferry da Baleária “Napoles” convertido a GNL



O Dolphin 3 será equipado com motores principais quad 3700kW que acionam jatos d'água Rolls Royce Kamewa S80-4.permitindo uma velocidade de cruzeiro de 39,5 nós.
O Dolphin 3 será uma demonstração da expertise da Incat Crowther em levar tecnologia líder mundial para novos mercados.


Tornando verdes as estradas azuis




Fonte// IncatCrowther

terça-feira, 25 de junho de 2019

Knud E. Hansen apresentou o projeto para um navio de cruzeiro á vela

A empresa dinamarquesa de projetos navais Knud E. Hansen revelou o projeto para um navio de cruzeiro a vela .
O navio de 110 metros foi projetado para oferecer aos passageiros uma experiência diferente, pois pode acomodar apenas 100 passageiros e pode atracar em portos pequenos, menos visitados, devido ao seu comprimento e pouco calado.


Photo Knud E. Hansen

World Explorer, o primeiro navio de cruzeiros construído em Portugal



O novo navio também vai enveredar pelo crescente segmento de ecoturismo, já que opera com uma combinação de diesel e energia eólica com baixo teor de enxofre. Como resultado, excede as exigências das Áreas de Controlo de Emissões e do futuro tampão de enxofre da Organização Marítima Internacional, que entrará em vigor em janeiro de 2020. Um grande banco de baterias também permite que o navio produza zero emissões no porto e em áreas protegidas.

O novo design de Knud E. Hansen apresenta um moderno equipamento da Detlev Loell Ingenieurbüro. É composto por três mastros independentes, cada um com uma vela principal totalmente rebatida e abas de borda traseira ajustáveis ​​para otimizar o levantamento. As velas são operadas por computador e projetadas para desempenho ideal, mesmo com ventos fracos. Quatro motores diesel-elétricos permitirão que a embarcação navegue a 15 nós.

A bordo, o navio tem 46 cabines de passageiros e 2 cabines de luxo, todas com vista para o mar e muitas delas com varanda privativa. Há um Sea Lounge no casco do navio com janelas subaquáticas para ver a vida marinha. Há também um terraço, um restaurante, bar, biblioteca, sala de jogos e café ao ar livre. O equipamento de lazer disponível incluirá insufláveis, jet skis, equipamento de mergulho e equipamento de câmara operado remotamente para observação subaquática.




quinta-feira, 6 de junho de 2019

Carnival com multa de US $ 20 milhões por crimes ambientais


A companhia de cruzeiros Carnival Corporation e sua subsidiária Princess concordaram em pagar uma multa criminal de US $ 20 milhões por violações ambientais, como por exemplo jogar lixo plástico no oceano. A Princess Cruise Lines já tinha pago uma multa US $ 40 milhões por outros atos deliberados de poluição.


Carnival Miracle Photo Wikipédia

World Explorer, o primeiro navio de cruzeiros construído em Portugal



A juíza distrital dos EUA, Patricia Seitz, aprovou os termos do acordo durante uma audiência na segunda-feira em Miami.
"Você não trabalha apenas para funcionários e acionistas. Você é um mordomo do meio ambiente", disse ela ao CEO da Carnival, Arnold Donald, que participou da audiência com outros executivos seniores. "O ambiente precisa ser um valor central, e espero e rezo para que ele se torne o seu hino diário."
A Carnival, com sede em Miami, declarou-se culpada na segunda-feira a seis violações, incluindo o despejo de plástico misturado com restos de comida nas águas das Bahamas. A empresa também admitiu o envio de equipas para visitar navios antes das inspeções para corrigir quaisquer violações de conformidade ambiental, falsificar registros de treino e entrar em contato com a Guarda Costeira dos EUA para tentar redefinir o que seria uma "não conformidade maior" do seu plano de conformidade ambiental.

O Ceo da Carnival alegou estar arrependido e assumiu a responsabilidade de tudo
A Carnival tem uma longa história de despejo de lixo e plástico e descargas de oleos dos seus navios, com violações que remontam a 1993.
"A decisão de hoje foi uma traição à confiança pública e uma continuação da fraca aplicação da lei ,que permitiu à Carnival Corporation continuar lucrando vendendo o meio ambiente aos seus passageiros, enquanto os seus navios de cruzeiro contribuem para a destruição dos frágeis ecossistemas que visitam", disse Kendra. Ulrich, um militante sênior de transporte marítimo da associação ambientalista, Stand.earth,.

Quando a Princess foi multada em US $ 40 milhões em 2016, o Departamento de Justiça a classificou como "a maior penalidade criminal de sempre envolvendo a poluição deliberada causada por embarcações". A empresa também concordou em se declarar culpada de sete acusações por violações em cinco navios que começaram em 2005.
Em 2013, um engenheiro de denúncias expôs o despejo ilegal de resíduos e óleo contaminados do navio Caribbean Princess da empresa. Ele disse às autoridades que os engenheiros estavam usando um dispositivo especial chamado "tubo mágico" para contornar o sistema de tratamento de águas do navio e despejar resíduos de óleo diretamente no oceano. A empresa também tentou encobrir essa prática dos investigadores, de acordo com o Departamento de Justiça.


Carnival Sensation Photo wikipédia

MS "Deutschland" volta ao Porto Santo




Parte do acordo judicial de 2016 exigia que navios de oito empresas da Carnival se submetessem á supervisão dos tribunais, e assim descobriu-se as mais recentes violações. A juíza Seitz, recentemente, ameaçou impedir o Carnaval de atracar nos portos dos EUA. Ela também havia solicitado que os executivos da empresa comparecessem à audiência de segunda-feira porque disse estar convencida de que eles não levavam a sério o cumprimento das leis ambientais.

Além da multa penal de US $ 20 milhões, a Carnival concordou em pagar 15 auditorias anuais, além de mais três dezenas de auditorias em navios, e vai reestruturar os navios para estarem em conformidade. Se a empresa não cumprir os prazos impostos pela reestruturação, será multada em até US $ 10 milhões por dia.



O maior navio de passageiros do mundo



Fonte//NPR

terça-feira, 4 de junho de 2019

Projeto de navegação autónoma “Autoship” financiado pela União Europeia


Foi divulgado pela Comissão Europeia, uma novo financiamento destinado a apoiar iniciativas para a automação de navegação marítima em águas europeias. Intitulado de Autoship, o projeto visa a construção e operação de dois navios autónomos, assim como a construção, em terra, das infraestruturas necessárias para controlo dos navios, e terá a duração de três anos e meio.



Photo Pplware - Sapo

Projeto ecológico para uso de metanol marítimo



O projeto está orçamentado em 27,6 milhões de euros, dos quais 20,1 milhões serão financiados pela União Europeia, esperando que o Autoship seja impulsionador para a introdução de navios autónomos no transporte marítimo de curta distância. A zona escolhida para testar os primeiros navios é o corredor báltico, e terá o apoio tecnológico da Kongsberg e da Rolls Royce.


Photo Shortsea

Na Noruega a Norled AS ganhou concurso para a construçao de um ferry movido a hidrogénio


«O grande objetivo é introduzir este tipo de navios no mercado nos próximos cinco anos, impulsionando o transporte marítimo e intercontinental não tripulado. É uma ambição com uma base sólida no âmago da cadeia de valor envolvida e no compromisso financeiro e comercial», adiantou a Comissão Europeia.

Indústria marítima une esforços para uso de purificadores de escape




domingo, 2 de junho de 2019

MSC Opera choca com a doca em Veneza


O navio "MSC Opera" sofreu esta manhã um incidente no canal de acesso ao porto de Veneza, ao embater numa doca e um barco turístico que estava pela sua proa, causando o pânico, relataram órgãos de comunicação social italianos.


Photo Cruisemaper
O acidente causou seis feridos leves e duas outras pessoas foram levadas para o hospital para observação, não tendo sido referida a sua nacionalidade.
Imagens divulgadas na rede social Twitter mostram turistas em terra a fugir enquanto o MSC Opera, embatia e deslizava ao longo do cais, antes de embater no barco turístico Michelangelo.
O acidente em San Basilio-Zaterre, no Canal Giudecca, pode ter acontecido devido ao rebentamento de um cabo ligado a um dos rebocadores que auxiliavam a manobra, de acordo com o jornal Corriere della Sera.




sexta-feira, 31 de maio de 2019

HSC Mega Jet regressa aos Açores


Já bem conhecido dos açorianos, o Mega Jet navega a caminho dos açores para a operação de verão 2019. Este ferry de alta velocidade já operou nos Açores em 2017 e 2018 fretado pela Atlânticoline.



Photos Mario Silva



O atraso com a certificação do Azores Express obrigou a Atlânticoline começar mais cedo com o Mega Jet, que deverá chegar a Ponta Delgada hoje 6ª feira para ser depois submetido a uma vistoria durante o fim de semana.
O ferry, com 77 metros e meio de comprimento e 26 de largura, tem capacidade para transportar 650 passageiros e 110 viaturas.


Photo Demitris Mentakis

Novo Catamarã da Naviera Armas começa a operar em Junho próximo





 Aguardando certificação na Grécia, continua o Azores Express. Construído em 1975, o navio foi totalmente remodelado mas ainda aguarda certificação.
A Atlânticoline garante que o Mega Jet vai assegurar o transporte dos passageiros e das motas, que vão participar, de 7 a 10 de junto, no Motor Fest na ilha de São Jorge.


"Andorinha" navegará no Douro a partir de 2020

quinta-feira, 30 de maio de 2019

Projeto ecológico para uso de metanol marítimo


O consórcio Green Maritime Methanol selecionou nove navios para pesquisa e testes sobre a aplicação de metanol renovável como combustível marítimo. Foram selecionados, novos projetos, novas construções, bem como os navios existentes da Boskalis, “Van Oord”, “Royal Netherlands Navy” e “Wagenborg Shipping”.


Photo MaritimeExecutuve


Wallenius Marine projeta transportador de carros á vela


As embarcações selecionadas têm diversos tamanhos, variando entre os 40 e os 160 metros, com a tonelagem variando de 300 e 23.000 dwt e em potência instalada de 1 a 12 mW. A pesquisa para esses navios começará com a determinação do custo para implementação e uso de sistemas de combustível de metanol. Os resultados desta pesquisa serão comparados com o diesel marinho com baixo teor de enxofre.
 Cada um dos navios tem seu próprio perfil operacional específico, fornecendo uma visão específica sobre a viabilidade do metanol para um determinado tipo de navio, sua rota de navegação e velocidade de cruzeiro. Não só os navios de carga estão sendo avaliados nesta fase, como também será dada atenção a ferris, dragas e embarcações de apoio que operam em águas costeiras.

Para cada cenário, as configurações técnicas, operacionais e econômicas mais atrativas serão determinadas. As partes pretendem compartilhar e trocar conhecimentos dentro do consórcio com oportunidades para desenvolver ainda mais o metanol como combustível de transporte para o setor marítimo.
 Recentemente, o consórcio acolheu três novos participantes que fornecem conhecimentos, competências e competências adicionais ao consórcio, à Real Associação dos Armadores dos Países Baixos (KVNR), ao Bureau Veritas e ao Lloyds Register.

 A Green Maritime Methanol agora tem uma lista de parceiros que inclui: Bio MCN, Royal Boskalis, Bureau Veritas, C-Job Naval Architects, Damen Shipyards, Organização de Materiais de Defesa, Feadship, Helm Proman, Royal IHC, Instituto Naval da Holanda Real (KIM / FMW ), Associação Real dos Armadores dos Países Baixos (KVNR), Lloyds Register, MARIN, Centro de Conhecimento Marítimo (MKC), Serviço Marítimo Noord (MSN), Instituto Metanol, Porto de Amsterdão, Porto de Roterdão, Pon Power, TNO, TU Delft, Van Oord, Associação Holandesa de Importadores de Motores de Combustão (VIV), Wagenborg Shipping e Wärtsilä.



Na Noruega a Norled AS ganhou concurso para a construçao de um ferry movido a hidrogénio


O projeto é apoiado pelo TKI Maritiem e pelo Ministério Holandês de Assuntos Econômicos e Políticas Climáticas e vai até dezembro de 2020.
No início deste ano, o Porto de Antuérpia, na Bélgica, iniciou um projeto para produzir metanol sustentável como parte da sua perspetiva em ser um porto neutro em carbono.
Noutro lugar, o Methanol Institute está apoiando um projeto na Universidade Tecnológica de Nanyang, em Singapura, que será a primeira avaliação do metanol como combustível naval na Ásia.

As novas tecnologias podem tornar os navios cada vez mais ecologicos




quarta-feira, 29 de maio de 2019

Incat vai construir o maior navio de alumínio do mundo


A Incat Tasmania Pty Ltd irá construir um catamarã de 130 m de passageiros para, a Buquebus.
O ferry irá se juntar aos outros navios Incat que já operam entre a  Argentina e no Uruguai.


Photo Incat

Ferry da Baleária “Napoles” convertido a GNL


A embarcação será o maior ferry de alumínio do mundo e a nona embarcação construída pela Incat para a Buquebus. O navio com 130 metros juntar-se-á aos outros navios Incat que operam entre vários portos no Rio da Prata na Argentina e Uruguai.

Com cerca de  13 mil toneladas, a embarcação de 130 metros de comprimento e 32 metros de Boca transportará 2100 passageiros e 220 viaturas. O ferry terá maior loja duty-free do mundo instalada num navio, com mais de três mil metros quadrados.



Photo Incat



“Volcan de Timanfaya” liga Funchal a Portimão



Neste momento decorrem os trabalhos de projeto, design e engenharia. A construção começará logo que esta fase, de projeto detalhado, ficar concluída e aprovada pelo cliente.
Espera-se que o novo navio Buquebus, o casco Incat 096, tenha uma velocidade máxima superior a 40 nós. O navio será alimentado por quatro motores que usarão GNL enquanto estiverem em serviço entre a Argentina e o Uruguai.



Algumas especificações para o casco 096

Arqueação Bruta 13.000
Comprimento 130m
Boca  32m
Passageiros 2.100
Automoveis 220
Duty-Free Shop 3.000m2
Velocidade: 40+ nós
4 motores bicombustíveis (GNL)


“Mestre Jaime Feijó” já flutua



Fonte //Incat

domingo, 26 de maio de 2019

Russia lançou o quebra-gelo nuclear "Ural"


 No último sábado a Rússia lançou um navio quebra-gelo nuclear, incluído num ambicioso programa para renovar e expandir sua frota de navios quebra-gelo, tendo como finalidade melhorar sua capacidade de explorar o potencial comercial do Ártico.



Photo  REUTERS / Anton Vaganov

World Explorer, o primeiro navio de cruzeiros construído em Portugal



O navio, o primeiro de um grupo de três, batizado de Ural e que foi lançado de um estaleiro em São Petersburgo, será o maior e mais poderoso quebra-gelo do mundo, depois de concluído
A Rússia está investindo fortemente em novas infraestruturas portuárias e recuperação dos seus portos mais antigos, pois, tendo em conta o aquecimento global, prepara-se para mais tráfego por meio do que chama de Rota Marítima do Norte (NSR), que prevê ser navegável o ano todo.
O Ural deve ser entregue à corporação de energia nuclear estatal russa Rosatom em 2022, depois dos outros dois quebra-gelos da mesma série, Arktika (Arctic) e Sibir (Sibéria), entrarem em operação.
"O Ural, junto com os seus irmãos, é fundamental para o nosso projeto estratégico de abrir o NSR para a atividade durante todo o ano", disse Alexey Likhachev, diretor executivo da Rosatom.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse em abril que a Rússia está intensificando a construção de quebra-gelos, com o objetivo de impulsionar significativamente o tráfego de cargas ao longo da costa do Ártico.
A iniciativa é parte de um esforço para fortalecer a presença da Rússia no Alto Norte, disputando o domínio com os tradicionais rivais Canadá, Estados Unidos e Noruega, além da recém-chegada China.

Fincantieri entrega o “Viking Jupiter”



Putin disse que a frota russa do Ártico, em 2035, operaria com pelo menos 13 navios quebra-gelo, nove dos quais seriam movidos por reatores nucleares.
O Ártico mantém reservas de petróleo e gás equivalentes a 412 mil milhões de barris de petróleo, cerca de 22% do petróleo e gás não explorados no mundo, segundo estimativas do US Geological Survey.
A Rússia espera que a rota que vai de Murmansk ao Estreito de Bering, perto do Alasca, possa se tornar um caminho muito procurado, uma vez que reduz o tempo de transporte marítimo da Ásia para a Europa.
Projetado para ser tripulado por 75 pessoas, o Ural será capaz navegar com gelo até cerca de 3 metros de espessura.

(c) Copyright Thomson Reuters 2019.


“Superstar”, o novo conceito dos ro-pax da Finnlines


Fonte//Gcaptain

domingo, 19 de maio de 2019

World Explorer, o primeiro navio de cruzeiros construído em Portugal

O World Explorer é primeiro navio de cruzeiros construído em Portugal e o maior navio de passageiros construído em estaleiros nacionais desde sempre. Fez as provas de mar entre 17 de Maio de 2019 dia 19 de Maio, altura em que regressou ao estaleiro da West Sea, em Viana do Castelo
É um navio de expedição de 5 estrelas, construído especificamente para a exploração polar em conforto e estilo.


Photo QuarkExpeditions

Algumas caraterísticas

Varandas em todas as cabines, pista de corrida ao ar livre, ginásio e sauna, spa, sala de observação com cúpula de vidro, sala de conferências, bar / lounge amplo e separado, refeições ao ar livre opcionais, biblioteca e áreas de estar com vista para o mar nos dois lados do navio.

Especificações do navio

Tripulantes: 125
Passageiros: 176
Comprimento: 126 metros
Largura: 19 metros
Calado: 4.57metros
Propulsão: 2x Rolls Royce 9.000 kw
Classe diesel híbrida / elétrica de gelo 1B
Velocidade de cruzeiro: 16 nós em águas abertas
Registo Português
Embarcações de salvamento: 2 totalmente fechadas







Seabourn Odyssey regressa ao Porto Santo




MS "Deutschland" volta ao Porto Santo


O MS “Deutschland” voltou ao Porto Santo, naquela que é a sua segunda escala nesta ilha. O paquete da Phoenix Reisen fundeou as 07 h e zarpou para o Funchal as 14h. Embora com algum vento, o dia estava agradável e com muito sol, o que é sempre uma imagem acolhedora da ilha dourada.





“Volcan de Timanfaya” liga Funchal a Portimão






Devidas as suas dimensões não atracou, permanecendo fundeado da baia, enquanto as suas baleeiras faziam o transbordo dos passageiros para a porto.







“Mestre Jaime Feijó” já flutua





Seabourn Odyssey regressa ao Porto Santo


Características principais

Tipo: Cruzeiro
Tonelagem: 22.400  GT
Comprimento:175.30 m
Boca: 23 m
Calado: 5,79 m
Decks:  10
Poder instalado:2  × MaK -Dieselmotorenwerk Rostock
Propulsão: 2 Hélices
Velocidade 20 nós
Capacidade: 520 passageiros
Bandeira: Bahamas
IMO: 9141807
MMSI: 311000410
Indicativo de Chamada: C6BZ6
Ano de construção: 1998



Guindaste tomba sobre o “Oasis of the Seas”




quinta-feira, 16 de maio de 2019

Pioneiro do Rio e Grupo Sousa adquirem a Svitzer Portugal


A Svitzer vai sair de Portugal, colocando assim termo a 14 anos de atividade, anunciou hoje a empresa do grupo escandinavo A.P. Moller, anunciando a venda do seu negócio de reboque à Pioneiro do Rio e ao Grupo Sousa não divulgando os montantes envolvidos.

A companhia de reboques e serviços marítimos do grupo Maersk estabeleceu-se em Portugal em 2005 e opera nos portos de Lisboa, Setúbal e Sines. O negócio com a Pioneiro do Rio e com o Grupo Sousa, engloba a frota de 15 rebocadores e respetivas tripulações, além do pessoal de terra.


Photo Transportes e Negocios

Ferry da Baleária “Napoles” convertido a GNL


A empresa de amarração Pioneiro do Rio, detida pelo catual Administrador Delegado da Svitzer Portugal, Rui Cruz e por Ana Margarida Severino, contará como parceiro neste negócio, com o Grupo Sousa.
«Esta é uma oportunidade empolgante e estamos ansiosos para expandir da atracação para o ramo de reboque. Já nos reunimos várias vezes com Svitzer e lamentamos vê-los sair de Portugal. Mas temos a sorte de contar neste novo projeto com pessoas com muita experiência e know–how para garantir nosso sucesso futuro», comentou Ana Margarida Severino, atual diretora administrativa da Pioneiro do Rio.

Rui Cruz, atual diretor administrativo da Svitzer Portugal, lembrou que a Svitzer «elevou significativamente os padrões da atividade de rebocagem em Portugal» e que agora é altura de capitalizar «a oportunidade de perseguir com a Pioneiro do Rio este caminho de alta qualidade e segurança para o benefício de nossos clientes», realçando o «privilégio» de contar com o Grupo Sousa, «prova da solidez do projeto».

Luís Miguel Sousa, CEO do Grupo Sousa, declarou: «Estamos entusiasmados com a parceria. As atividades portuárias e marítimas estão no centro dos nossos negócios e este projeto é, portanto, um ajuste perfeito. Estamos procurando permanentemente novas oportunidades para consolidar nossa estratégia de crescimento e investir neste empreendimento com esses parceiros é uma oportunidade que não poderíamos perder».

A Pioneiro do Rio e o Grupo Sousa irão adquirir integralmente as duas empresas portuguesas da Svitzer, num negócio que inclui tripulação, bem como a frota de rebocadores da Svitzer Portugal. A transação está sujeita a apresentação obrigatória junto da Autoridade da Concorrência. Sujeito a obter aprovação da Autoridade da Concorrência, espera-se que o fecho do acordo ocorra no segundo semestre de 2019



Navio semi-submersível “Forte” descarrega Tango FLNG na Argentina



Fonte//RevistaCargo