terça-feira, 22 de outubro de 2019

O novo navio do Grupo Armas-Transmediterranea será entregue em Maio de 2020


O estaleiro Visentini, em Porto Viro, perto de Veneza, lançou no passado dia 14 de Outubro o ferry “Ciudad de Valencia”, cuja entrega está prevista para maio de 2020.
O navio do Grupo Armas-Trasmediterranea deverá operar nas Ilhas Baleares no próximo verão na linha Valencia-Palma.


Photo: Visentini

Deltamarin irá projetar o novo ferry da Tallink


 O navio tem 203 m de comprimento fora a fora e  194,20 m de comprimento entre perpendiculares, 25,60 m de boca, e 6,55 m de calado. Será alimentado por dois motores MAN de nova geração, de 12.600 kW cada, o que lhe dará uma velocidade de 23,7 nós.
Terá capacidade para 1.000 passageiros e 3.300 metros lineares de carga.


Novo ferry liga Orkney ao continente escocês


Knud E. Hansen projeta novo conceito de ferry ro-pax





segunda-feira, 21 de outubro de 2019

Deltamarin irá projetar o novo ferry da Tallink


A Deltamarin, empresa finlandesa de design, engenharia e construção offshore fez parceria com a construtora naval Rauma Marine Constructions (RMC) para fornecer serviços de design básico e detalhado para o novo ferry da Tallink , que operará entre Helsínquia na Finlândia e Tallinn na Estônia.


Photo: Rauma Marine Constructions

Novo ferry liga Orkney ao continente escocês



A comissão da Deltamarin irá ter a seu cargo o design do casco, máquinas e sistemas elétricos. O trabalho será realizado por um período de 16 a 18 meses nos escritórios da Deltamarin na Finlândia e na Polônia, com a assistência de empresas da rede.
O novo ferry terá capacidade para 2.800 passageiros e 1.900 metros de deck disponíveis para veículos. Usará o GNL como combustível principal, mas também será equipada com baterias para reduzir ainda mais as emissões. Espera-se que seja entregue no início de 2022.

Jyrki Heinimaa, CEO da RMC afirmou na cerimónia de assinatura do contrato. "Estamos muito satisfeitos por continuar nossa cooperação frutífera com a Deltamarin, o objetivo da RMC é ser um fornecedor líder de ferries de automóveis e de passageiros, e a nossa extensa rede de parceiros estratégicos desempenha um papel vital nesse sentido. Esperamos trabalhar em conjunto com a Deltamarin e fornecer a Tallink este navio com tecnologia de ponta, moderno e ecológico. ”

E-Flexer Galicia lançado na China


As ligaçoes ferry nas Canárias, reportagem da RTP Madeira






domingo, 20 de outubro de 2019

MS “Star Breeze” é cortado ao meio para ser aumentado 25 metros


O navio “Star Breeze”, ex “Seabourn Spirit” foi cortado ao meio para ser aumentado 25 metros, operação que ocorreu no estaleiro de Fincantieri, em Palermo, sendo este o primeiro dos três navios que irão ser submetidos a uma intervenção idêntica,



 Os navios irmãos da Windstar Cruises,  “Star Legend”, ex “Seabourn Legend”,  e o “Star Pride” ex “Seabourn Pride” seguir-se-ão em 2020.
O alongamento de navios de cruzeiro não é um novidade setor de cruzeiros, mas o projeto da Windstar é significativo porque envolve também a remoção e a substituição dos principais motores e geradores a diesel por um sistema de propulsão mais ecológico.




O primeiro navio de cruzeiro híbrido-elétrico do mundo


Após a conclusão, o” Star Breeze” partirá de Barcelona para Lisboa em 20 de fevereiro de 2020, de onde partirá para o Porto de Miami em 19 de março de 2020.


O custo do alongamento e substituição dos motores assim como a renovação dos interiores é de US $ 250 milhões, e esta a ser efetuado pela Fincantieri, líder em grandes reformas de navios de cruzeiro


Costa Smeralda com entrega adiada


sábado, 19 de outubro de 2019

Os purificadores são a melhor opção para as restrições da IMO

 A 1 de Janeiro de 2020, as normas da IMO referentes ao limite do teor de enxofre entrarão em vigor e os navios precisarão queimar óleo combustível com baixo teor de enxofre (LSFO), a menos que estejam equipados para usar GNL ou tenham instalado um sistema de limpeza de gases de escape (também conhecido como depurador).


Photo  MarineLink

Navios não deverão estar preparados para as regras do IMO 2020


Trata-se de uma mudança regulatória maciça, com impactos significativos na indústria.
Estima-se que até essa data, até 4.000 navios estejam já equipados com lavadores, e com muito mais operadores a seguir esse caminho, refletindo o fato de que os lavadores oferecem benefícios financeiros e ambientais significativos.

Custo

O combustível é um dos maiores custos de um operador de navio e o diferencial de preço entre HSFO e LSFO espera-se ser significativo, com analistas prevendo que o LSFO custará entre US $ 100 a 300 por tonelada a mais do que o HSFO.
Embora ainda não saibamos o custo exato do LSFO a 1 de janeiro de 2020, a instalação de um depurador é um investimento significativo, mas parece certo que as economias obtidas com a queima do HSFO em vez do LSFO compensarão o custo da instalação, sugerindo-se que apenas em alguns meses poderão compensar e 'recuperar' o investimento necessário.


Montagem de um purificador Photo  MarineLink


Indústria marítima une esforços para uso de purificadores de escape



Disponibilidade

Outra vantagem é a disponibilidade. Apesar de só faltarem três meses ainda não há certezas da disponibilidade de combustível LSFO em todos os portos.
Estão sendo construídas em todo o mundo, novas refinarias, que produzirão apenas LSFO. Mas existem as refinarias atuais, cerca de 700 a produzir HSFO em todo o mundo.
Para processar o HSFO e transforma-lo em LSFO, é necessário que as refinarias existentes invistam pesadamente na atualização das suas instalações, e isso não acontecerá da noite para o dia. Como resultado, é seguro afirmar que, independentemente da disponibilidade do LSFO, o HSFO estará disponível por algum tempo.


Benefícios ambientais

A maioria dos depuradores está projetada para remover os poluentes que mais contribuem para uma ampla gama de sérios problemas de saúde. Um purificador não apenas remove a maior parte dos óxidos de enxofre dos gases de escape dos motores e caldeiras dos navios, mas também remove até 94% da matéria particulada, até 60% do carbono preto e uma quantidade significativa de policiclos, os hidrocarbonetos aromáticos.
No geral, um lavador realmente oferece a melhor maneira de atender aos requisitos ambientais do limite global de enxofre, enquanto reduz o impacto ambiental do transporte marítimo, impedindo a poluição do ar, seja o navio no mar ou no porto.



Photo Liscr


Em 2050 60% dos navios utilizarão o GNL como combustível.



Os depuradores de circuito aberto serão proibidos?

Os lavadores foram aceites como um método aprovado de conformidade pela IMO, União Europeia e Agência de Proteção Ambiental dos EUA, após considerável análise e escrutínio científico.
Mas alguns lugares proibiram a tecnologia de purificador de loop aberto, prejudicando as regras que eles estão tentando aplicar.
Isso é contrário aos vários estudos independentes, incluindo Koski 2017, Carnival Corp-DNVGL 2019, Japan MLIT 2019 e CE Delft 2019, que mostraram que os lavadores oferecem um meio seguro e eficaz para cumprir a IMO 2020.
A organização independente de pesquisa SINTEF declarou recentemente que o uso do HSFO com um depurador oferecia a opção ambientalmente mais benéfica para conformidade. Segundo a cientista chefe do SINTEF, Dra. Elizabeth Lindstad, a energia necessária na produção global de LSFO produz muito mais GEE do que na produção de HSFO. Além disso, o Dr. Lindstad sugere que os lavadores, que eliminam o carbono preto e as partículas, realmente oferecem aos armadores a melhor solução a longo prazo contra a legislação focada no carbono.

Melhor opção, um híbrido?

A Pacific Green Technologies está há mais de uma década projetando, planeando, fabricando e implementando lavadores em embarcações e recomenda seu sistema ENVI-Marine ™, que pode ser fornecido como sistema de ciclo aberto, pronto para híbrido de ciclo aberto ou totalmente híbrido capaz de ambas as operações, em modo aberto ou fechado, dependendo da alcalinidade do mar e dos regulamentos de emissão de efluentes onde quer que o navio esteja localizado.

Instalada com sucesso em navios-tanque, graneleiros e navios porta contentores, a empresa também está introduzindo lavadores para navios de passageiros. O sistema ENVI-Marine ™ é menor, mais eficiente e mais barato de instalar do que os produtos dos concorrentes. Utiliza uma nova geração de tecnologia de lavagem, baseada em um conceito simples. Primeiro, arrefece os gases de combustão, depois os limpa com uma espuma especializada através da água do mar pura, usando seu processo patenteado TurboHead ™; depois, liberta na forma de sais inofensivos, ou os armazena para entregar em terra.
Por último, mas não menos importante, apesar do prazo que se aproxima, alguns operadores de navios recusam-se a parar as embarcações para adaptação.
 Nesses casos, os armadores e operadores devem procurar um fabricante com capacidade operacional para gerenciar uma resposta rápida com tempo mínimo de instalação.
 A PGT firmou parceria com a chinesa PowerChina, estatal, para oferecer uma solução líder no setor, dentro do prazo e do orçamento.


Porto de Antuérpia encomenda rebocador movido a hidrogénio





sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Explosão na sala de baterias de um ferry , coloca em causa as baterias de íons de lítio


As autoridades norueguesas estão alertando os armadores e operadores sobre os perigos associados aos sistemas de baterias de íons de lítio após um incêndio e uma subsequente explosão de gás a bordo de um ferry diesel-elétrico na Noruega.



MF Ytterøyningen. Photo Corvus Energy

O maior ferry elétrico do mundo fez a sua viagem inaugural



O pequeno incêndio foi registado em 10 de Outubro na sala de baterias do ferry de passageiros Norled MF Ytterøyningen. O ferry voltou ao porto pelos seus próprios meios, onde passageiros e tripulantes abandonaram o navio.
Durante a noite, no entanto, uma grave explosão de gás abalou a sala de baterias, causando danos significativos.
A empresa norueguesa de radiodifusão NRK informou que doze bombeiros foram levados ao hospital por exposição a gases perigosos associados às baterias.
A Autoridade Marítima Norueguesa recomenda que todos os armadores com embarcações que possuem instalações com baterias realizem uma nova avaliação de riscos dos perigos relacionados a possível acumulação de gases explosivos nos sistemas de baterias

Como alternativa, a Corvus Energy, sediada na Colúmbia Britânica, que fornecia o sistema de baterias do ferry, emitiu recomendações aos operadores para não navegar sem haver um eficiente sistema de comunicação entre o sistema de gestão de energia a bordo e as baterias, bem como o que fazer em caso de libertação de gás ou em situação de fuga térmica.
A fuga térmica ocorre quando as temperaturas das células de íons de lítio excedem o limite da temperatura, resultando na libertação repentina de gases tóxicos e inflamáveis ​​e calor excessivo que pode resultar numa explosão.

Photo electricvehiclesresearc

A Corvus Energy ganha a maior encomenda do mundo de baterias para navios híbridos


A Autoridade Marítima Norueguesa diz que a sequência exata de eventos no incêndio de Ytterøyningen não foi estabelecida, mas emitirá uma atualização da Mensagem de Segurança quando fatos adicionais, informações e conexões causais forem feitas.
Tudo isso tem implicações importantes para os operadores noruegueses de ferries, que estão cada vez mais recorrendo à energia híbrida diesel-elétrica ou totalmente elétrica para embarcações que operam em fiordes ambientalmente sensíveis e em áreas costeiras.
O Ytterøyningen foi entregue em 2006 e está equipado com um sistema de armazenamento de energia Corvus Orca Energy (ESS) com  capacidade de 1989 kWh.

O primeiro ferry elétrico da Islândia terá tecnologia da ABB




Fonte//Sdir


quinta-feira, 17 de outubro de 2019

IBM presente no 'Mayflower' um dos primeiros navios transatlânticos autónomos do mundo


A IBM anunciou que ingressou num consórcio global de parceiros, liderado pela organização de pesquisa marinha ProMare, que está construindo um navio não tripulado e totalmente autónomo que cruzará o Atlântico no quarto centenário da viagem original de “Mayflower” em Setembro de 2020.

Photo IBM

Wärtsilä procede a atualizações híbridas a dois navios de abastecimento offshore


O Mayflower Autonomous Ship (MAS) usará a IA, os servidores mais poderosos da IBM, as tecnologias de computação em nuvem e de borda para navegar autonomamente e evitar os riscos oceânicos, Sairá de Plymouth, na Inglaterra, para Plymouth, Massachusetts.
Se for bem-sucedido, será um dos primeiros navios autónomos a cruzar o Oceano Atlântico e abrirá a porta para uma nova era de navios de pesquisa autónomos.


Photo IBM


Nova tecnologia para a produção de hidrogénio 'verde'



A embarcação levará três cápsulas de pesquisa contendo uma série de sensores e instrumentos científicos que os cientistas usarão para avançar o entendimento em várias áreas vitais, como segurança cibernética marítima, monitorização de mamíferos marinhos, mapeamento do nível do mar e plásticos oceânicos. O trabalho será coordenado pela Universidade de Plymouth , no Reino Unido, que está na vanguarda da pesquisa marítima e marítima, com apoio da IBM e ProMare.

O casco do navio “Mayflower” está sendo construído e equipado em Gdansk, na Polônia pela Aluship Technology, de onde será transportado para Plymouth, Reino Unido, no final deste ano.

Samgung projeta células de combustível a GNL para navios


Fonte//Safety4sea

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Primeiro transportador de carvão com vela rígida do mundo


A Mitsui OSK, Lines, Ltd. (MOL) e a Tohoku Electric Power Co., Inc., anunciaram a intenção de avançar com um estudo conjunto relacionado à instalação do primeiro sistema de vela rígida do mundo (Wind Challenger) num bulker.


Photo mol.co.jp

A Wärtsilä e a Norsepower assinam acordo nos serviços de propulsão eólica


Wind Challenger é uma vela telescópica para converter energia eólica em força propulsora, estudada no "Wind Challenger Project '', do qual a MOL participa como membro líder. A instalação do sistema em navios mercantes tem o potencial de reduzir significativamente o consumo de combustível, o que, por sua vez, reduz o impacto ambiental da operação da embarcação e melhora a eficiência econômica.

A MOL e a Tohoku Electric estudaram em conjunto a instalação do Wind Challenger nos transportadores de carvão que transportam carvão para as centrais térmicas da Tohoku Electric. Recentemente, foi confirmado que uma embarcação equipada com o Wind Challenger é viavel nas instalações portuárias das centrais termelétricas de carvão pertencentes à Tohoku Electric; portanto, as empresas decidiram avançar com um estudo conjunto em larga escala.



Photo mol.co.jp




Ambas as empresas planeiam verificar o impacto do sistema na operação de descarga e entrada / saída nas instalações portuárias de descarga de carvão, seu efeito na redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE) quando a embarcação está em andamento e outros fatores, com vistas a lançar o mundo primeiro navio equipado com o Wind Challenger após 2022.

Os navios movidos a energia nuclear


Nova tecnologia para a produção de hidrogénio 'verde'

Fonte// Mol.co.jp


“AIDAnova” funcionará com células de combustível de hidrogénio


A Carnival Corporation, marca alemã da, AIDA Cruises, juntou-se à Carnival Maritime, á Freudenberg Sealing Technologies, ao estaleiro Meyer Werft e outros parceiros para iniciar o primeiro sistema de células de combustível do mundo, para grandes navios de passageiros, a instalar no seu navio “AIDAnova” que já tem motores ecológicos a GNL.


AIDAnova, o primeiro navio de cruzeiro movido a GNL do mundo Photo: AIDA Cruises


A Wärtsilä e a Norsepower assinam acordo nos serviços de propulsão eólica




O projeto, Pa-X-ell2, financiado pelo Ministério Federal de Transportes e Infraestrutura Digital da Alemanha, levará a AIDA a testar as células de combustível de hidrogénio derivado de metanol no “AIDAnova” até 2021. Esta será a primeira vez que um cruzeiro navio será alimentado por células de combustível.

Projetadas pela Freudenberg Sealing Technologies, as células de combustível serão integradas num sistema de energia híbrida para navios de cruzeiro. Os testes iniciais em terra mostraram que as células têm uma vida útil de mais de 35.000 horas de operação, mais do que as atualmente desenvolvidas para automóveis.

Se a operação for bem-sucedida, as células de combustível permitirão ao “AIDAnova” operar com níveis ainda mais baixos de emissões do que faz atualmente com seus motores a GNL. No futuro, há também o potencial de que o metanol seja produzido por fontes de energia renováveis.
Além disso, as células de combustível devem reduzir o ruído e as vibrações operacionais.

"Com o uso inicial de células de combustível a bordo de um navio de cruzeiro oceânico, alcançaremos mais um marco importante no nosso caminho para cruzeiros neutros em emissões", disse Felix Eichhorn, presidente da AIDA Cruises. "O nosso objetivo é continuar mostrando soluções concretas para alcançar os nossos objetivos em prol do clima".



Os navios movidos a energia nuclear




Fonte//AIDAcruises


segunda-feira, 14 de outubro de 2019

A Wärtsilä e a Norsepower assinam acordo nos serviços de propulsão eólica


O grupo de tecnologia Wärtsilä e a Norsepower, líder no fornecimento de sistemas auxiliares de propulsão eólica verificados por baixa manutenção e operados por software, assinaram um contrato de cooperação de serviço. Isso permitirá à Norsepower solicitar serviços de manutenção da Wärtsilä, enquanto a Wärtsilä pode buscar e vender projetos do Norsepower Rotor Sail com o apoio da Norsepower.

Photo Wärtsilä

Os navios movidos a energia nuclear


Com o crescimento da capacidade de fabrico da Norsepower e a crescente procura prevista para o Rotor Sails, a colaboração ajudará a organização a trabalhar em escala e fortalecerá ainda mais sua oferta de atendimento ao cliente em cooperação com a rede global de serviços da Wärtsilä. Os principais setores-alvo incluem navios-tanque, ferries de passageiros e navios de cruzeiro, bem como navios de carga seca.

Desde o lançamento em 2014, o Norsepower Rotor Sails foi instalado em três embarcações, resultando numa redução de sua produção de CO2 em cerca de 5000 toneladas. Uma quarta instalação já está planeada para 2020. O tamanho e o número de velas de rotor a serem instaladas são adaptados para corresponder ao perfil operacional da embarcação e para fornecer uma solução versátil e segura.
O acordo entre a Wärtsilä e a Norsepower promoverá o uso das velas do rotor e apoiará o transporte sustentável.

“Aqua” mega iate de luxo movido a hidrogénio



Fonte//Wärtsilä


domingo, 13 de outubro de 2019

MS “Braemar” torna-se o maior navio a transitar o Canal de Corinto

Na passada quarta-feira, o navio de cruzeiro MS "Braemar" estabeleceu um novo recorde como o maior navio de todos os tempos a transitar pelo histórico Canal de Corinto, na Grécia, o famoso e estreito canal que liga o Golfo Sarônico ao Golfo de Corinto.

Photo Fred Olsen Lines

O primeiro navio de cruzeiro híbrido-elétrico do mundo


O canal tem de 24 metros de largura, o suficiente para o MS "Braemar" com 22,5 metros de boca passar. O navio estava tão próximo das paredes do canal que os passageiros puderam tocar nelas, de acordo com Clare Ward, diretora de cruzeiros de Fred Olsen Lines.



O MS "Braemar" está num cruzeiro de 25 noites pelas ilhas gregas e pelo Peloponeso, partindo e terminando em Southampton com escalas em Rodes, Ermoupoli, Patras, Katakolon e outros destinos populares. A Fred Olsen diz que já atraiu um interesse considerável para a repetição do cruzeiro na primavera de 2021.





Costa Smeralda com entrega adiada


A ideia para a construçao do Canal de Corinto começou no século VII aC, durante o reinado de Periandro, governante de Corinto. Mas Periandro optou por um sistema de transporte terrestre mais barato, e a construção de um canal só começou na administração do imperador romano Nero, 600 anos depois. O projeto foi cancelado após a morte de Nero, em 68 dC, e o e esteve abandonado durante 1.800 anos. Em 1882, uma concessionária voltou a operar na rota original de Nero, e o canal foi concluído em 1893.


AIDAperla será equipado com a maior bateria em navios fornecida pela Corvus Energy


Fonte//FredOlsenLines


sábado, 12 de outubro de 2019

Wärtsilä procede a atualizações híbridas a dois navios de abastecimento offshore

O grupo de tecnologia Wärtsilä projetará, fornecerá e instalará módulos híbridos de bateria completos em dois navios de abastecimento offshore pertencentes à operadora norueguesa Atlantic Offshore.

Ocean Star. Photo Kleven

Os navios movidos a energia nuclear


O projeto de atualização será realizado no estaleiro Fitjar, na Noruega. Ao converter os navios em propulsão híbrida, os proprietários serão beneficiados com um consumo de combustível mais baixo e um impacto ambiental reduzido. O contrato com a Wärtsilä foi feito em Junho de 2019.

Os sistemas híbridos de bateria de 746 kWh serão instalados nas 'Ocean Star' e 'Ocean Art'. Ambos os navios foram projetados pela Wärtsilä e estão equipados com motores Wärtsilä e sistemas elétricos Wärtsilä Low Loss Concept (LLC).


Ocean Art Photo Cision

Nova tecnologia para a produção de hidrogénio 'verde'

A LLC reduz as perdas elétricas e fornece maiores cargas individuais do motor para proporcionar melhor eficiência de combustível. Ao selecionar a Wärtsilä para a atualização de baterias híbridas, a integração com os sistemas de controlo existentes será, portanto, perfeita.

A Wärtsilä também realizará testes e provas de mar aos sistemas após a instalação. A conclusão do projeto para os dois navios está prevista para o início de 2020.



Fonte//Wärtsilä

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Porto das Lages retoma a "operacionalidade"


Passada uma semana da passagem do furacão ‘Lorenzo’ pelos Açores que deixou um rasto de destruição, o Porto das Lajes das Flores, uma das infra-estruturas mais afectadas no arquipélago, reabriu à navegação mas muito condicionado.



Porto das Lages Photo Marinha Portuguesa


Acidente no “Euroferry Malta” causa um morto e três feridos



A Portos dos Açores, S.A., conseguiu em tempo recordes, conseguiu disponibilizar um cais acostável para o tráfego marítimo e reabrir aquela infra-estrutura portuária à navegação.
É de realçar a colaboração da Marinha, da Câmara Municipal das Lajes das Flores e das empresas locais e pessoal técnico e da administração deslocados, que foram fundamentais para retomar o abastecimento à ilha das Flores por via marítima.



Porto das Lages Photo Marinha Portuguesa


Furacão Lorenzo destruiu o Porto das Lages, Açores



A grande prioridade era devolver a capacidade de operação ao Porto das Lajes, e de acordo com a Portos dos Açores, já possível operar naquela infra-estrutura com navios até 60 metros de comprimento e 4 metros de calado. Os trabalhos de limpeza do fundo da bacia portuária irão prosseguir nos próximos dias e semanas.


Ferry grego regressa ao porto devido a incendio


“Bourbon Rhode” afunda-se no Atlântico vítima do furacão Lorenzo




quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Novo ferry liga Orkney ao continente escocês

O MV “Alfred”, foi adicionado á frota Pentland Ferries, juntando-se ao MV “Pentalina”, naquele que é considerado o serviço de ferry mais ecológico do género na Escócia.



MV Alfred Photo Orkney

E-Flexer Galicia lançado na China


Há uma turbina eólica em terra que fornece energia quando o navio está atracado durante a noite e toda a iluminação do navio é de LED de baixo consumo de energia.



MV Alfred Photo Orkney

Knud E. Hansen projeta novo conceito de ferry ro-pax


O navio foi construído no Vietname e deixou o país no final de Agosto, tendo chegado a St. Margaret's Hope na manhã de quarta-feira, 9 de Outubro.
O MV “Alfred” esta apetrechado com cinco áreas para passageiros, e uma pequena área destinada a cães. Com capacidade para 430 passageiros e 98 automóveis, ou 54 automóveis e 12 camiões, autocarros ou reboques, é significativamente maior que o MV “Pentalina”.



MV Pentalina Photo Wikipedia

O maior ferry elétrico do mundo fez a sua viagem inaugural



O diretor-gerente da Pentland Ferries, Andrew Banks, disse estar muito satisfeito com a qualidade do navio e o serviço que ele deve prestar, e afirmou: "Este é o ferry mais ecológico do tipo na Escócia e seu baixo consumo de combustível a torna a maneira mais ecológica. viajar para Orkney ”.
Fonte//Orkney


quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Os navios movidos a energia nuclear


A energia nuclear como combustível para navios é uma solução com emissões zero. Não emite SOx, NOx, CO2 ou partículas. A tecnologia também é milhões de vezes mais densa em termos de energia do que os combustíveis fósseis e opções alternativas de combustível que atualmente estão sendo consideradas como metanol, amónia e hidrogénio. No que respeita á meta de reduzir os gases de efeito estufa (GEE) da IMO até 2050, é a única solução comprovada atualmente disponível, capaz de substituir os combustíveis fósseis em todas as aplicações marítimas.


NS Savannah, o primeiro navo nuclear civil do mundo Photo: ssMaritime

Nova tecnologia para a produção de hidrogénio 'verde'

A tecnologia está longe de ser nova, a primeira central nuclear entrou em operação em 1955. Desde então, existem cerca de 700 reatores em operação no mar. Isso equivale a milhares de anos de experiência operacional. A tecnologia não se limita apenas às marinhas de guerra, também houve aplicações marítimas civis.
A Rússia opera navios mercantes nucleares desde há muitos anos onde se inclui quebra-gelos movidos a energia nuclear, sendo que, alguns desses navios funcionam como navios de passageiros no verão, no círculo ártico. Pode-se afirmar que já existem muitos navios movidos a energia nuclear.



A energia nuclear pode ser uma opção particularmente atraente para a indústria dos ferries, não apenas devido a emissões zero, mas também porque elimina a necessidade de abastecer combustível ao embarcar e desembarcar passageiros, o que se torna mais um desafio para os novos combustíveis. Quaisquer requisitos futuros para usar a energia ligada a terra para limitar as emissões, seriam postas de parte com o uso da energia nuclear. Seria até possível o navio fornecer energia ao porto onde atraca, e ter assim uma fonte adicional de receita. Atualmente, a Energia Nuclear está excluída do Índice de Projeto de Eficiência Energética (EEDI), o que significa que não há restrições para navios que operam usando a tecnologia.
A perceção e aceitação dessa tecnologia pelas pessoas, é ainda um problema, mas os riscos são mesmo reais? O desenvolvimento tecnológico aprimorado ao longo dos anos garantiu que mecanismos de segurança contra falhas sejam incorporados aos projetos de reatores para na existir saída de radiação em caso de falha. A aceitação mútua entre os países para a implementação regulatória terá que estar em vigor para que a procura por esta fonte de energia aumente, podendo ser esta a única alternativa para a os combustíveis marinhos com emissões realmente zero.

Russia lançou o quebra-gelo nuclear "Ural"


O navio quebra-gelo, “RV Polarstern”, ficará retido no gelo do Ártico, de propósito


Fonte//Hellenicshippingnews