sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

As novas tecnologias podem tornar os navios cada vez mais ecologicos


O transporte marítimo é a força vital do comércio global,mais de 80% do comércio mundial recorre ao transporte marítimo. Mas a indústria também é uma ameaça ambiental, produzindo tanto dióxido de carbono anualmente como a Alemanha.
 A Organização Marítima Internacional (IMO) pediu que os navios produzissem cerca de 85% menos enxofre  até o final do próximo ano e reduzissem pela metade suas emissões totais de gases de efeito estufa até 2050.

Photo RevistaCargo

Veja Tambem Novo Ro-Pax M/S "VISBORG" batizado na China


A indústria naval está respondendo adequadamente com várias estratégiaa: sistemas de depuração de emissões, velocidades de operação mais lentas e o uso de combustíveis mais limpos, incluindo o gás natural liquefeito. Estes são passos essenciais, ainda que não adequados. Para atingir a meta de 2050, os intervenientes terão que experimentar fontes alternativas de energia.

Para começar, eles precisarão investir no desenvolvimento de vela e energia solar. O armazenamento de energia também é necessário para aproveitar essas fontes de energia. Outras tecnologias que precisam de serem mais experimentadas são as células de combustível de hidrogênio de emissão zero e biocombustíveis, que podem ser feitos de tudo, desde restos de óleo de cozinha até algas.
Nem todas as melhorias precisam ser altamente tecnológicas ou extremamente caras. 

Uma ideia prática é remover as cracas que se ligam aos cascos dos navios. O arrasto que isso cria pode aumentar o consumo de combustível de um navio em até 20% a 40%. Várias novas tecnologias podem reduzir esse problema. Produtos químicos que repelem os moluscos; polímeros e revestimentos tipo Teflon que dificultam a sua fixação; e drones subaquáticos que os limpam sem precisar colocar o navio em doca seca.



Outra melhoria fácil conhecida como engomar a frio vem dos dias das frotas movidas a carvão: quando os navios estão sendo descarregados num porto, eles usam eletricidade fornecida a partir de terra, em vez de seus próprios sistemas de energia. A Califórnia já tem requisitos de engomar a frio nos seus portos comerciais. Outros estados e nações devem seguir seu exemplo.

E então há, literalmente, a opção nuclear. A ideia de montar reatores nucleares em embarcações comerciais com não é novidade: no final dos anos 50, o governo dos EUA financiou a construção do Savannah , que serviu como transportador de carga e passageiros durante uma década. O navio de contentores nucleares russo Sevmorput , lançado na década de 1980, ainda está em operação.

Savanah, Photo Atomic Insights
Veja Tambem Nova esperança para o histórico SS United States

Ainda é possível que as vantagens da energia nuclear, sem emissões e tremenda velocidade - possam eventualmente superar os custos adicionais envolvidos no desenvolvimento da tecnologia e na proteção contra acidentes catastróficos ou ataques terroristas.

Nenhuma dessas estratégias pode funcionar sozinha, e algumas podem não funcionar. Mas as companhias de navegação, as empresas de construção naval e as nações cujas economias dependem delas precisarão se tornar mais inventivas, 2050 está chegando mais rápido do que eles imaginam.



Fonte// Bloomberg

Sem comentários:

Publicar um comentário